De acordo com informações divulgadas pelo site Mail Online, 12 pessoas que integram duas famílias foram presas recentemente no Paquistão, após as autoridades [VIDEO] locais terem descoberto o chocante caso [VIDEO] envolvendo o estupro de uma mulher que foi ocasionado por uma espécie de "troco" dado a outro crime da mesma natureza.

As identidades dos envolvidos não foram reveladas, mas o fato é que o incidente do "estupro por vingança" teve como palco a cidade de Pir Mahal, situada no distrito de Toba Tek Singh – o qual, por sua vez, se encontra na província de Punjab.

No último dia 20, conforme relatos da mídia paquistanesa, um homem violentou sexualmente uma mulher do município mencionado acima, e a família do perpetrador se reuniu com os parentes da vítima em busca de "perdão e reconciliação" – em outras palavras, eles tentaram argumentar em favor do criminoso, de modo que seu delito não fosse denunciado.

Os familiares da mulher concordaram em conceder a indulgência solicitada, mas sob uma condição: a irmã do Estuprador também deveria ser violentada pelo irmão da mulher agredida, para que assim a situação ficasse "quite".

Cumprimento do acordo

De forma chocante, as duas famílias consentiram com todos os termos propostos, e no dia 21, o irmão da mulher que havia sido estuprada "cumpriu" com a sua parte do acordo.

Os acontecimentos absurdos só foram descobertos porque Shaukat Ali Javed, sub-inspetor do Departamento de Polícia de Pir Mahal, flagrou os envolvidos preparando documentos legais nos quais os integrantes de ambas as famílias se dispunham a não prestar queixas uns contra os outros.

Mahal reportou o caso aos seus superiores, e assim, no último sábado (24), todas as 12 pessoas que estavam presentes na reunião onde o crime de vingança foi combinado acabaram sendo detidas – incluindo quatro mulheres, uma das quais, inacreditavelmente, era a própria irmã do violentador inicial, e que se tornou a vítima do segundo estupro.

Ainda segundo o Mail Online, não é a primeira vez que um incidente desta natureza ocorrido no Paquistão se torna conhecido mundialmente: em julho do ano passado, um indivíduo agrediu sexualmente uma adolescente de apenas 12 anos de idade em Multan, cidade localizada no sul do país. Naquela ocasião, um conselho de aldeões decidiu que o delito seria "pago" quando a irmã de 16 anos do agressor fosse estuprada por um parente da vítima – o cumprimento da "sentença" teria sido realizado na presença dos pais da garota mais velha, e de mais 40 conselheiros da aldeia.