Os alunos de uma escola, secretamente, gravaram seu professor de biologia dizendo que as meninas que usam saias curtas, jeans e batom estão pedindo para serem estupradas em grupo. Ele também afirmou que as meninas que saem à noite com homens que não são seus maridos estão incitando "crimes como o da violação de gangs".

Os comentários foram feitos durante "sessões de aconselhamento" para estudantes do sexo masculino e feminino na escola Kendriva Vidyalaya em Raipur, de acordo com a imprensa local. Depois das alegações do professor, os alunos registraram suas queixas em uma carta anônima ao diretor da escola Bhagwan Das Ahire, que afirmou que o professor causou "assédio mental".

Durante as alegações, o professor citoy o caso que aconteceu com Nirbhaya, de 23 anos, (um apelido, porque a imprensa indiana não tem permissão para publicar os nomes das vítimas de estupro), que era estudante de fisioterapia e foi estuprada e assassinada [VIDEO]dentro de um ônibus em dezembro de 2012 por cinco homens. Na época, a jovem chegou a ser levada para um hospital, mas morreu um dia após a internação.

O professor culpou Nirbhaya por sua própria violação e assassinato em grupo, e não os homens que fizeram isso com ela. "Quando uma menina expõe seu corpo, os meninos pensam que a garota está disponível e ela quer isso porque ela não tem caráter. As meninas expõem seu corpo somente quando não têm rostos bonitos” disse o professor.

"As meninas tornaram-se tão sem vergonha, por que Nirbhaya saiu tão tarde da noite com um menino que não era seu marido? É difícil entender.

Tais incidentes aconteceram com meninas em áreas remotas frequentemente. A mãe de Nirbhaya não deveria ter permitido que ela fosse tão tarde da noite. [Foi] o erro de Nirbhaya e não dos meninos. Meninas que enfrentam tais incidentes são amaldiçoadas e é uma punição para elas", acrescentou o professor. [VIDEO]

Os pais preocupados encontraram-se com o principal Ahire no início desta semana. Eles também fizeram uma queixa sobre o professor para as autoridades policiais. Um dos pais, Dhanuklal Sahu, disse: "Meu filho e seus colegas de turma se sentiram extremamente insultados quando o professor continuou afirmando sua opinião na frente dos meninos".

A indignação por agressão sexual e estupro na Índia vem aumentando desde que Nirbhaya foi assassinada e levou manifestações generalizadas. Eventualmente, o governo foi forçado a introduzir punições mais severas por estupro, incluindo a pena de morte. No entanto, relatos de estupro estão aumentando no país. A Polícia recebeu quase 39 mil reclamações em 2016, o que aumentou 12,4 % em relação ao ano anterior.

Leia também

Vídeos mostra 3 mulheres tendo cabeça decapitada por facção criminosa