3

Às vezes, ficamos sabendo de histórias envolvendo crianças [VIDEO] que são realmente assombrosas, as quais mostram que os "pequenos" podem ter atitudes comparáveis a de adultos, dada a clareza de seu pensamento e ação rápida em um momento de urgência – e segundo o site Mail Online, um destes casos impressionantes aconteceu recentemente no Reino Unido, quando uma garotinha teve um papel crucial para que a vida de sua mãe fosse salva.

Louise Rush, de 26 anos, vive em Sunderland, no nordeste da Inglaterra, e juntamente com seu marido Stephen Morrison, possui quatro crianças com as seguintes idades: Ava (5), Emily (4), Rosa (um ano e três meses) e o caçula Charlie, de seis semanas de vida.

A mulher [VIDEO] apresenta uma condição chamada rim duplo – o que quer dizer que ela tem duas uretras (canais por onde a urina passa) drenando apenas um rim, e, além disso, possui endometriose, um distúrbio onde o tecido que normalmente reveste o útero acaba crescendo fora deste órgão.

Estes problemas fazem com que Louise fique doente com bastante frequência, e ela já havia até perdido a consciência (mas apenas de forma rápida). Assim, a britânica instruiu Emily para agir caso algo acontecesse, dizendo à filha que, se ela não conseguisse acordar a mãe, deveria telefonar para o serviço de emergência do Reino Unido usando o aplicativo Siri, existente em celulares da marca Apple, e também avisar o pai.

A pequena heroína age

Na última sexta-feira (26), Louise Rush teve um mal súbito em casa e perdeu a consciência enquanto Stephen estava trabalhando, ficando desmaiada por cerca de 50 minutos.

Conforme havia sido ensinada, Emily tentou despertar a mãe, e não conseguindo, agiu de forma extraordinária.

A garotinha pegou o celular e ligou para a emergência, sendo que a chamada foi atendida por uma mulher identificada como Kerri Corbett. De acordo com o Mail Online, a telefonista afirmou que, durante todo o diálogo, Emily se manteve calma, respondendo a todas as perguntas que lhe eram feitas sobre Louise.

Primeiramente, a menina disse que "a mamãe havia caído" no chão e não estava se mexendo, e quando perguntada se conseguia abrir a casa para que os médicos entrassem, ela afirmou que podia pegar um banquinho no banheiro para alcançar a porta, acrescentando ainda que sabia onde as chaves da residência se encontravam. Acompanhe o áudio da ligação:

Além de tudo, Emily ainda teve a maturidade de fazer a ligação para o pai, e cuidou dos irmãos mais novos até a chegada da ambulância: ela trouxe um cobertor e brinquedos para Rosa, que estava em uma cadeira alta infantil, e tentou dar a Charlie o resto de sua mamadeira, pois ele estava chorando.

Ao chegarem ao local, os paramédicos descobriram que Louise havia sofrido uma convulsão – algo que realmente pode matar. Ela foi colocada no veículo de socorro, e enquanto era levada para o Hospital Real de Sunderland (Sunderland Royal Hospital), passou por outra crise.

No estabelecimento médico, foi realizada uma tomografia cerebral, e constatou-se que, além dos problemas de saúde já conhecidos, a mulher possui epilepsia.

Orgulho por Emily

Louise Rush agora está tomando medicamentos para manter a condição recém-descoberta sob controle, e revelou que chorou ao ouvir a gravação do telefonema feito pela filha. A mulher disse que está muito orgulhosa de Emily, pois ela fez "um trabalho brilhante", e entre outros elogios, a mãe afirmou que a menina é sua "pequena heroína" – acrescentando ainda que acredita que teria morrido se a garotinha não tivesse pedido ajuda.

A respeito do incidente, a própria Emily declarou: "Eu liguei para o papai e para a ambulância quando a mamãe caiu. Eu cuidei de Rosa e Charlie, e dei a Charlie sua mamadeira. A mamãe está agora no hospital, e eu a amo muito".

Devido às suas ações heroicas, a menina foi agraciada com um certificado de bravura concedido pelo North East Ambulance Service ("Serviço de Ambulância do Nordeste" inglês, responsável por cobrir os condados de Durham, Northumberland, Tyne and Wear e a área de Cleveland, em North Yorkshire) em reconhecimento por tudo o que ela fez – o qual lhe foi entregue pelos mesmos paramédicos que fizeram o resgate de sua mãe.