O candidato presidencial Vladimir Zhirinovsky declarou que irá estabelecer “a ditadura mais severa”, caso seja eleito presidente da Rússia, em votação que ocorrerá no próximo dia 18.

Durante debate com os candidatos promovido pelo Canal 1 da Rússia, o líder do Partido Liberal Democrata prometeu transformar a situação de seu país “pela força”, punindo todos os “oligarcas” (grandes empresários que enriqueceram ilicitamente após a dissolução da União Soviética) e todos os que roubam o dinheiro público, garantindo que repatriará todo o montante de dinheiro que esteja no exterior.

Segundo Zhirinovsky, esse projeto de governo “será impossível em condições de democracia.

Portanto, irei estabelecer a ditadura mais severa”, assegurou durante o debate, de acordo com a agência de notícias russa Sputnik.

Outra proposta do candidato liberal-democrata é transformar o sistema político-eleitoral da Rússia [VIDEO] em um modelo bipartidário, a semelhança dos principais países ocidentais. Ser for eleito, Zhirinovsky irá propor a criação de dois partidos principais “e sempre diferentes candidatos desses partidos serão presidentes”, comentou.

Candidatos

As eleições presidenciais, que ocorrerão no próximo dia 18, contarão com oito candidatos [VIDEO]. De acordo com a última pesquisa eleitoral publicada pelo Centro de Pesquisa de Opinião Pública de Toda a Rússia e divulgada nesta quinta-feira (01) pela agência de notícias Tass, Zhirinovsky tem 5,9% de intenção de voto e é o terceiro favorito dos russos para ocupar o cargo mais importante do país.

O líder na corrida presidencial continua sendo Vladimir Putin, atual presidente e candidato independente, com 69,1% de intenção de voto. Em segundo lugar está Pavel Grudinin, do Partido Comunista da Federação Russa, com 7,8%.

Os outros cinco candidatos são Ksenia Sobchak, da Iniciativa Cidadã (1,6%); Grigory Yavlinsky, do Partido Democrático Unido (0,9%); Sergei Baburin, da União Popular (0,3%); Boris Titov, do Partido do Crescimento (0,3%), e Maxim Suraikin, do Comunistas da Rússia (0,1%).

Putin sofreu uma pequena queda em relação à pesquisa anterior, divulgada em 18 de fevereiro, quando ele apareceu com 69,5% das intenções de voto. Entretanto, a queda é maior se comparada com a primeira pesquisa do ano, revelada no dia 12 de janeiro. Naquela ocasião, o atual presidente russo chegou a alcançar a cifra de 81% de apoio popular para a reeleição.