Cada ser humano possui um tipo de cabelo: liso, encaracolado, crespo, ondulado e outros. Quando se trata do cabelo, existe a possibilidade de se fazer várias mudanças – quer seja de cor, forma ou tamanho – e adotar uma vasta gama de estilos (ou até mesmo livrar-se dele e exibir uma orgulhosa cabeça raspada), mas as madeixas de algumas pessoas são tão surpreendentes ou únicas que acabam se tornando sua marca registrada.

Um exemplo bem conhecido é o do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cujo topete é famoso mundialmente, mas agora uma mulher com um cabelo bem extravagante está "roubando a cena" nas mídias sociais e fazendo grande sucesso na internet: trata-se da senadora russa Valentina Petrenko, uma legisladora de 62 anos de idade que atua na região conhecida como Cacássia (ou Khakasia), situada na Sibéria.

Nesta semana, vários sites internacionais, tais como Mail Online, The Sun, New York Post e Newsweek abordaram a peculiaridade do estilo de madeixas que Petrenko exibe – um penteado do tipo "permanente" que já era conhecido há anos na Rússia, mas que só agora se tornou célebre no resto do mundo.

Muito além do cabelo

Em 2015, Valentina Petrenko chegou até dizer em uma entrevista concedida a um site russo que ela já estava cansada de responder a perguntas que lhe eram feitas sobre seu topete.

Naquela ocasião, a mulher afirmou que apenas possui um cabelo encaracolado, e que tudo o que ela faz é levantá-lo usando alguns grampos.

Mesmo que a mídia tenha focado na senadora por causa de sua aparência, ao longo dos anos ela protagonizou alguns feitos que vão "muito além do cabelo".

Talvez o exemplo mais notável tenha acontecido em 1993, quando Petrenko ajudou a negociar a libertação de crianças que eram mantidas reféns por quatro homens.

Naquela ocasião, os sequestradores apreenderam alguns alunos e um professor na cidade de Rostov do Don, levaram-nos para dentro um helicóptero roubado (o qual estava carregado com explosivos) e voaram em direção ao sul da Rússia. Durante vários dias, os criminosos foram libertando os reféns, e quando a aeronave aterrissou para fazer reabastecimento em Mineralnye Vody, Petrenko conseguiu convencer os homens a libertar os dois últimos meninos que ainda eram mantidos cativos – ela chegou inclusive a se oferecer para ficar no lugar das crianças.

A oferta da senadora foi recusada, e os sequestradores – que alegavam estar à procura de tratamento médico no Irã por estarem doentes – posteriormente acabaram sendo presos.

Pelo seu ato de bravura, a mulher recebeu uma condecoração concedida pela extinta União Soviética que era conhecida como Ordem "Por Coragem Pessoal".

Atualmente, Petrenko é membro do partido político conhecido como Rússia Unida, preside o Comitê do Conselho da Federação Russa sobre Política Social e advoga pelos direitos das mulheres que se tornam mães em seu país.

Não perca a nossa página no Facebook!