Um alerta feito por uma mãe australiana tem ganhado repercussão em diversos países nos últimos dias. Vivianne Wardrop decidiu expor a intimidade da própria família para alertar outras pessoas para que possam ter um cuidado acima do normal quando forem colocar seus filhos em uma cadeirinha das que ficam disponíveis nos carrinhos de compras de supermercados.

O motivo para tal alerta é que ela acabou sofrendo uma das piores experiências com o seu bebê, Logan Wardrop, de apenas 10 meses de vida. Tudo ocorreu na tarde de 13 de setembro, quando Vivianne foi ao supermercado com o filho.

Lá, ela decidiu colocar o menino na cadeirinha do carrinho de compras.

Ela afirma que no momento nem se quer passou por sua mente fazer a limpeza do carrinho antes de colocar o menino, pois seria o correto, ao menos passar uma toalha com álcool em gel. Vivianne conta que apenas colocou o menino no carrinho e fez suas compras como de costume. A entrevista foi concedida ao portal de notícias Kidspot e tem sido compartilhada por pessoas de todo o mundo.

A mulher conta que no dia seguinte seu filho passou a apresentar alguns problemas de saúde, como diarreia, vômitos e febre preocupante de 39,6 graus.

“Eu fiquei aterrorizada quando o vi com a moleira baixa, pois sei que é um sinal de desidratação da criança”, disse ela.

Ao ver o quadro preocupante do garoto, a mãe, então, decidiu levá-lo ao médico, onde o bebê foi diagnosticado com o rotavírus, adenovírus e a bactéria salmonela. Essas doenças têm como poder causar diarreias e vômitos. A contaminação acontece quando a pessoa coloca a mão em uma superfície contaminada e em seguida a leva à boca.

Pelo fato de ser apenas um bebê, Logan tem como costume colocar constantemente as mãos na boca. A mãe ainda contou que o momento foi de pavor, pois sabia que não tinha levado o filho para nenhum lugar nos últimos dias e que a alimentação do mesmo era a mesma como de costume.

Diante do parecer de Vivianne, os médicos afirmaram que o menino havia contraído os vírus quando foi colocado no carrinho de supermercado.

O menino ficou internado durante 10 dias para que pudesse passar pelo processo de tratamento da diarreia e outros sintomas.

Após os procedimentos, o bebê finalmente conseguiu se recuperar e teve alta hospitalar. A mãe aproveitou o que passou para pedir que os pais tivessem um melhor cuidado, mesmo não tendo 100% de certeza que o menino atraiu a doença no carrinho de supermercado. Porém, ela reconhece que tudo deve ser levado como uma forma de alerta.

Não perca a nossa página no Facebook!