De acordo com informações divulgadas pelo site The Sun, uma equipe que trabalha no metrô de londres (sistema ferroviário popularmente conhecido apenas como "Tube") cometeu um terrível engano ao confundir o cadáver de um homem com o de uma raposa – o que fez com que centenas de trens passassem por cima do corpo durante várias horas seguidas.

Apesar de a assustadora revelação ter sido feita somente na última sexta-feira (27), o incidente ocorreu no dia 28 de dezembro do ano passado.

Publicidade
Publicidade

Naquela data, às 11h27 no horário local, uma locomotiva foi parada pelo acionamento automático de um dispositivo de segurança, o que indicava que havia algo errado na chamada Piccadilly Line (Linha Piccadilly) – mais especificamente, nas proximidades de um túnel localizado entre as estações de Holborn e Russell Square.

Um gerente do Tube foi mandado até o local para ver qual era o problema, e encontrou o que pensou ser a carcaça de uma ou várias raposas mortas nos trilhos.

Mais de 300 trens passaram por cima do cadáver de um homem no metrô de Londres (Imagem de arquivo)
Mais de 300 trens passaram por cima do cadáver de um homem no metrô de Londres (Imagem de arquivo)

O trabalhador fez este relato aos controladores de linhas ferroviárias – cuja base de operações se encontra no distrito de Earls Court –, e, assim, a movimentação dos trens acabou rapidamente sendo retomada.

A terrível descoberta

O serviço de transporte continuou funcionado normalmente desde a hora do incidente até 01h42 do dia seguinte, e foi só então que houve uma checagem das câmeras de segurança do local – momento em que se constatou que um homem havia sido filmado entrado no túnel em Holborn.

Publicidade

As autoridades foram acionadas, e quando examinaram a cena viram que a tal "carcaça de raposa" era na verdade um cadáver humano. A polícia colheu impressões digitais da vítima, e os agentes encontraram um pé decepado ainda dentro de um sapato. A identidade do homem não foi revelada, e tudo o que se sabe é que ele tinha 47 anos de idade e que vivia na cidade de Maidstone, na Inglaterra.

Segundo uma fonte ouvida pelo The Sun sob a condição de anonimato, mais de 26 trens passaram a cada 60 minutos ao longo da linha onde o corpo se encontrava.

Assim, fazendo as contas, nas 14 horas em que o metrô funcionou ininterruptamente, o cadáver foi atropelado pelo menos 364 vezes.

Com relação ao motivo que levou o indivíduo a entrar no túnel, uma das hipóteses levantadas é o suicídio. De fato, ainda conforme o The Sun, números oficiais apontam que ocorreram nada menos que 92 tentativas de suicídio na Linha Piccadilly entre os anos de 2000 e 2010 – sendo que, de 2016 a 2017, 15 pessoas tiraram suas próprias vidas no metrô de Londres.

Publicidade

Leia tudo e assista ao vídeo