De acordo com informações divulgadas pelo site The Smoking Gun, na última sexta-feira (27) uma mulher [VIDEO] do Estado do Missouri, nos EUA, declarou-se culpada pela posse de narcóticos e de uma arma de fogo perante o tribunal do Condado de Mclean, em Illinois, como parte de um acordo de delação firmado com as autoridades.

Sem entrar em minúcias, por si só a notícia descrita acima não chamaria muito a atenção, visto que um número considerável de pessoas acaba sendo presa exatamente por estes crimes. No entanto, no caso de Anika Witt, de 27 anos de idade, existe uma particularidade [VIDEO] bizarra: a pistola que ela portava estava escondida dentro de sua vagina – e com um detalhe: carregada e pronta para o uso.

O incidente da detenção de Witt ocorreu no mês de setembro do ano passado, quando o carro em que ela e um homem chamado Clinton McDonald (29) estavam foi parado pela polícia na rodovia Interstate 55, ao norte de uma cidade chamada Bloomington. Durante a inspeção no veículo, oficiais encontraram heroína e ecstasy, e, assim, a dupla acabou recebendo voz de prisão por causa dos entorpecentes.

Achando a pistola

Depois de apreendida, Anika Witt acabou sendo transportada para a cadeia do Condado de McLean, onde as novas detentas precisam passar por uma inspeção íntima antes de serem encarceradas. Foi exatamente durante a realização desse procedimento que uma policial fez a estranha descoberta: havia uma pistola calibre 0,380 – produzida pela empresa Kimber Manufacturing – escondida dentro da vagina da criminosa.

A arma, que mede pouco mais de 14 cm de comprimento, estava com o pente de munições totalmente carregado, e já havia uma bala posicionada na câmara de disparo.

Wit poderia passar até 15 anos sob custódia por causa da droga encontrada, e o episódio da arma aumentaria sua pena em mais uma década. No entanto, devido à cooperação combinada com as autoridades, seu período total de detenção, que será estabelecido no final de junho, acabará sendo drasticamente reduzido – desde que ela testemunhe contra Clinton McDonald.

Além disso, como parte do acordo, os promotores atuantes no caso concordaram em descartar outras quatro acusações apresentadas, mas a presidiária – que possui uma vasta ficha criminal, a qual inclui roubo, distribuição de cheques sem fundo e resistência à prisão – deverá pagar uma multa no valor de US$ 6.400 (mais de R$ 22 mil) relacionada ao flagra da posse de heroína.