Um policial da cidade de Toronto, no Canadá, se recusou a atirar no suspeito de avançar com uma van em direção a uma multidão de pedestres nessa segunda-feira (13), matando 10 pessoas. A calma do policial no momento da abordagem foi elogiada.

Quando o agente se aproximava do suspeito, ele alegou estar em posse de uma arma de fogo e o policial não se precipitou. A Polícia de Toronto identificou o homem preso como Alek Minassian, 25 anos, sem antecedentes criminais, morador de Richmond Hill, cidade da região metropolitana de Toronto.

Segundo o site canadense Global News, imagens de uma testemunha mostraram que, no momento da abordagem policial, o suspeito gritou: "Mata-me". Porém, o oficial respondeu: “Não, deite no chão”. Quando o suspeito disse “wu tenho uma arma no bolso”, o policial respondeu: “Eu não me importo. Abaixe-se."

O policial alertou para que o suspeito se entregasse ou poderia ser baleado. "Atire na minha cabeça", disse o suspeito, antes de ser contido sem nenhum disparo ter sido efetuado pelo policial.

A prisão foi elogiada como um bom exemplo de contenção da polícia no meio de uma situação caótica em um dos ataques mais violentos da história do Canadá. O Serviço de Polícia de Toronto não quis divulgar o nome do oficial envolvido no impasse, mas disse ser um policial muito experiente.

“É evidente que o suspeito estava tentando ser executado pelo policial. Ele estava realmente a procura de um suicídio", disse à agência Reuters Gary Clement, superintendente aposentado da Policial Real Montada Canadense, com 34 anos de experiência em policiamento. "Eu diria que esse indivíduo conheceu o policial certo", afirmou Clement.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Segundo ele, "ninguém sabe como eles vão reagir, e ele reagiu de maneira muito madura.”

O ataque

No início da tarde dessa segunda-feira (23), em Toronto, no Canadá, Alek Minassian, de 25 anos, atropelou [VIDEO] uma multidão de pedestres que caminhava numa calçada da Rua Yonge, ao Norte da cidade canadense. Uma testemunha que presenciou o ataque disse que “todo mundo gritava 'pare o carro!', mas ele continuou atropelando as pessoas”.

Outra testemunha disse que o suspeito avançava atropelando um a um e que em um momento ela viu um carrinho de bebê partido ao meio. O atropelamento em massa ocorreu a cerca de 30 quilômetros do Centro de Toronto, onde os ministros do Exterior dos países do G7 se reuniram na segunda-feira.

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, disse estar acompanhando o caso desde o início e que seus sentimentos está com todos que foram afetados com o ataque.

O prefeito de Toronto, John Tory, disse a um jornal local que a investigação sobre o caso “será complicada” e até o momento não há ligações do suspeito com grupos terroristas. Nenhum grupo extremista assumiu a autoria do ataque.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo