Segundo informações do site Mail Online, o canal estatal de TV Rossiya 24, controlado pelo governo russo, transmitiu um programa onde aconselhou os seus telespectadores a estocarem água, alimentos e remédios, e sugeriu à audiência que deixe as "malas prontas" para uma fuga emergencial a abrigos antiaéreos construídos em função de uma possível Terceira Guerra Mundial [VIDEO].

O segmento midiático, apresentado por Alexey Kazakov, foi divulgado após o aumento das tensões mundiais advindas de um incidente ocorrido na Síria recentemente, já que existe o temor de que o envolvimento de Estados Unidos e Rússia [VIDEO] na questão possam acabar desencadeando um conflito global.

A causa das preocupações

No sábado (9), ativistas da Síria que se opõem ao presidente Bashar al-Assad, além de equipes de resgate e médicos, afirmaram que mais de 40 pessoas morreram em um alegado ataque químico ocorrido em Douma, cidade daquela nação controlada por rebeldes de um grupo chamado Jaysh al-Islam.

A investida ocorreu um dia após negociações entre os dissidentes e o governo terem estagnado, e de acordo com a organização chamada Violations Documentation Center (VDC, ou Centro de Documentação de Violações) – que registra transgressões aos direitos humanos em território sírio desde 2011, quando se iniciou uma guerra civil no país – a Força Aérea local realizou dois bombardeios com projéteis supostamente contendo substâncias tóxicas.

O fato é que, segundo as instituições Sociedade Civil Síria e Sociedade Médica Sírio-Americana, o incidente ocasionou a ida de mais de 500 pessoas – a maioria mulheres e crianças – a instalações médicas, as quais apresentavam sintomas de exposição a um agente químico.

A utilização deste tipo de armamento viola a Convenção sobre Armas Químicas – um acordo mundial em vigor desde 1997 que proíbe a produção, o armazenamento e o uso destes agentes –, e o governo Sírio, que é apoiado pela Rússia, nega que tenha usado agentes tóxicos no sábado, acusando os rebeldes de terem "fabricado" o ataque para impedir que militares retomassem Douma.

Em contrapartida, Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, condenou o incidente classificando-o como um "ataque hediondo a sírios inocentes com armas químicas proibidas", e prometeu tomar ações sobre o caso – sem descartar, inclusive, uma possível retaliação armada a Assad.

Preparação para a guerra

Foi em face do quadro exposto acima, onde os ânimos entre Washington e Kremlin estão acirrados, que o canal Rossiya 24 instruiu o seu público sobre como se preparar para a "Terceira Guerra Mundial". Acompanhe (ative as legendas em português na opção "detalhes" do vídeo):

Entre outras coisas, o âncora Alexey Kazakov orientou os espectadores a respeito do modo correto de se estocar farinha de aveia e arroz nos bunkers – os quais podem ser armazenados por até sete anos e oito anos, respectivamente –, e lembrou que carne enlatada tem validade de meia década.

Kazakov aconselhou que doces devam ser "deixados para trás" por provocarem sede, uma vez que "a água se tornará a fonte mais preciosa [de sobrevivência] para os moradores dos abrigos antiaéreos", sendo "a primeira coisa na qual se deve pensar". Também foi exposto na reportagem que medicamentos como o iodo (o qual ajuda o corpo humano a combater os efeitos do envenenamento por radiação) precisam estar incluídos em um kit.

Além de tudo isso, afirmou-se no programa de TV que "o pânico [de uma guerra mundial] está pior na América", e que o negócio de construção de abrigos antiaéreos tem crescido na Rússia após a eleição de Donald Trump.