Toda esta trama começou por volta das 10h15 do último domingo (29), enquanto canoístas praticavam seu esporte em um rio na cidade de Sydney, na Austrália. Mas, de repente, um momento de lazer se tornou em uma fatídica cena de terror. Um corpo boiava bem diante de suas vistas. Os policiais foram imediatamente contatados e informados da situação.

Depois de terem retirado o corpo [VIDEO], o Departamento de Polícia declarou que, apesar do cadáver não ter sido formalmente identificado, tudo indica que seja uma mulher brasileira de 38 anos que está desaparecida desde o último sábado (28).

A brasileira Cecilia Haddad se mudou para Austrália no ano de 2007 para trabalhar em uma empresa de mineração no Oeste do país.

No ano de 2016, se mudou para o local em que morreria, Sydney.

Trabalhando como gerente de logística, se manteve até que resolveu abrir seu próprio negócio, uma empresa de consultoria chamada CHC Consulting, que visava ajudar empresas a se adaptar ao momentos de transições competitivas do mercado.

De acordo com amigos da brasileira, em Sydney, ela era uma pessoa bastante sociável e que em seu tempo nesta cidade foi capaz de fazer um grande círculo de amizades. Um dos rapazes que trabalhava com ela afirmou ter ficado bastante preocupado nesse fim de semana, pois ela não havia comparecido a nenhum de seus compromissos no sábado.

Depois das investigações feitas pela polícia [VIDEO], conseguiram estabelecer que ela esteve em um churrasco na noite de sexta-feira (27) e depois conversou com colegas na manhã seguinte.

Porém, depois disso, seus movimentos sãos um mistério. Seu carro, um Fiat 500 de cor vermelha, modelo 2013, foi encontrado fora de sua casa em um estacionamento.

Neste jogo de quebra-cabeças algumas peças não se encontram disponíveis. Cecília, de acordo com a imprensa australiana, foi casada com um brasileiro, o qual, depois de saber do ocorrido, viajou as pressas à Sydney, dizendo-se estar revoltado com tudo isso.

No entanto, o principal suspeito é outro brasileiro. Trata-se de um ex-namorado de Cecília Haddad, que viajou ao Brasil momentos depois de seu desaparecimento.

Tudo indica que a brasileira foi vítima de um amor doentio de um homem que não soube lidar com o término do relacionamento. A polícia do Estado de New South Wales, Sudeste da Austrália, investiga o caso como suspeita de homicídio.

A brasileira se formou em administração pela PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), em 2002, e fez mestrado em engenharia industrial pela Melbourne Business School, em 2007, na Universidade da Tasmânia.