Uma adolescente foi vítima de uma ataque criminoso cometido pelo namorado [VIDEO] por volta das 22 horas de segunda-feira (7). O acusado de ter cometido o crime foi identificado como Iwan Kincit.

Para as autoridades da Indonésia, ele é o principal suspeito de ter jogado gasolina e ateado fogo na namorada, Dellisa Ayu Latifa, de 16 anos. O crime bárbaro aconteceu na cidade de Medan Labuhan.

Vítima é queimada dentro da casa de um amigo

Segundo informações do site Tribun News, no dia do incidente, a vítima estava dormindo na casa de um amigo, identificado como Noble Anggraini, de 16 anos. De acordo com ele, a vítima teve um desentendimento com o namorado e foi para a sua residência.

Durante esse tempo em que a jovem estava em sua residência, o suspeito tentou conversar com ela várias vezes por telefone, mas Dellisa se recusou. Anggraini disse que Kincit insistiu de várias maneiras para falar com a namorada, mas, mesmo assim, ela se recusou. Diante da recusa, o suspeito resolveu ir até a casa onde ela estava.

Acusado vai até a casa onde a namorada estava e ateia fogo nela

Aparentemente, Kincit já estava com a intenção de atacar a namorada. Conforme relatos de uma amiga da vítima, identificada apenas como Nilam, o suspeito chegou ao local, perguntou se não poderia ficar com Dellisa e, em seguida, já jogou gasolina na jovem e ateou fogo [VIDEO]. ”Senti muito ver isso naquela noite, fiquei tão surpresa ao ver que o corpo de Dellisa estava em chamas. Ela ainda correu e gritou por ajuda fora da casa", disse Nilam.

O socorro foi acionado e a vítima foi levada às pressas para uma unidade médica de Medan Labuhan. Imagens divulgadas em mídias sociais mostram o momento exato em que a jovem chega ao hospital com o corpo todo queimado. A direção do hospital informou que o estado de saúde da vítima é grave. A imprensa local não informou se o acusado de cometer o crime foi localizado e preso pela Polícia.

Outro caso de violência contra mulher

A jovem Asma Masih, de 25 anos, morreu depois de ser queimada por um homem que queria se casar com ela de qualquer jeito. Com base no relato do pai da mulher, Yaqoob Masih, Asma foi atender a porta da casa onde trabalhava como ajudante doméstica em Sialkot, no Nordeste do Paquistão, quando foi atacada.

O pai, que estava visitando a filha no momento do ataque, disse que viu Rizwan Gujjar fugindo da cena enquanto Asma estava envolta em chamas. De acordo com Nasir Saeed, diretora da Claas-UK, uma instituição de caridade cristã que trabalha no Paquistão, as mulheres cristãs no país são consideradas inferiores e como uma mercadoria barata.

“Elas são muitas vezes perseguidas e intimidadas em seu local de trabalho. Elas são frequentemente convidadas a se converter ao Islã e a se casar com colegas muçulmanos”, disse Nasir Saeed.