No domingo (6), a Promotoria Pública de Dresden, no Norte da Alemanha, emitiu mandando de prisão contra Ursula Harverbeck, de 89 anos, por incitação ao ódio e por negar, publicamente, a existência do Holocausto. A idosa afirma, categoricamente, que Auschwitz não foi um campo de concentração e extermínio em massa, mas, sim, de trabalho. Para ela, o Holocausto é uma grande mentira da história.

Ursula foi presa na casa dela, em Votlo, região Noroeste da Alemanha, nessa segunda-feira (7).

A Justiça alemã já a havia condenado anteriormente por diversas vezes desde 2004, mas a "vovó nazista" - como foi apelidada pela imprensa alemã - recorreu da decisão.

Foram inúmeras as condenações e ela nunca havia sido presa por causa da morosidade nos processos de apelação. A idosa não se intimidou e continuou negando as atrocidades cometidas durante o regime nacional-socialista.

Para se ter uma ideia do quão insistente e desafiadora é a Ursula, em um de seus julgamentos, distribuiu folhetos aos presentes e até ao juiz com mensagens do tipo "somente a verdade vos libertará" .Em 2016, ela voltou a ser condenada.

Dessa vez, a octogenária enviou cartas a um jornal alemão nas quais negava as monstruosidades cometidas durante regime nazista.

A condenação partiu de um tribunal de Dresden. De acordo com a decisão, Ursula Harverbeck deverá passar dois anos presa. A idosa tinha até o último dia 2 para se apresentar às autoridades, mas não apareceu. A Justiça, então, deu ordens para as forças policiais cumprirem o mandado de prisão expedido.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

A condenada não foi encontrada na casa dela e não havia informações sobre onde estava. Nessa segunda-feira, as autoridades voltaram à casa de Ursula, encontraram-na e, por fim, cumpriram o mandado de prisão. A idosa foi levada diretamente a um presídio de Bielefeld, no estado da Renânia, onde deve cumprir a sentença de dois anos de prisão. Ela é viúva de Werner Georg, um conhecido líder do partido nazista.

A legislação alemã é bem clara em seu artigo 130 do Código Penal: "Quem negar, aprovar ou minimizar, publicamente ou em uma reunião, um ato cometido durante o regime nacional-socialista (...) será punido com pena de prisão de até cinco anos".

A rede de campos de concentração de Auschwitz é considerada o símbolo do Holocausto ocorrido durante a Segunda Guerra Mundial. Estima-se que mais de um milhão de pessoas tenham sido executadas nesses campos de concentração.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo