De acordo com o dicionário, o racismo é um conjunto de teorias e crenças que tem como o principal objetivo estabelecer uma hierarquia entre as raças. O racismo é fundado normalmente sobre o direito alegado de tal raça, considerada pura ou superior de dominar outras, como o caso de Adolf Hitler, na Alemanha, que alegava que a raça ariana era a superior.

Este caso é o que envolve a jovem Zena Edwards. Ela tem apenas 18 anos e foi condenada esta semana pelo crime de injúria racial. A condenada foi levada para um hospital do País de Gales após ter sofrido uma facada nas costas. Ao chegar à emergência de uma unidade de saúde em Denbighshire, ela se recusou a passar pelo atendimento porque o médico era negro.

Segundo informações do portal de notícias Daily Post, Zena se declarou culpada, o que fez sua sentença ser atenuada. A Mulher terá que fazer 200 horas de serviços para a comunidade, além de passar por 12 meses de supervisão da justiça e precisará fazer o pagamento equivalente a R$ 3.500. Este valor é o resultado da soma da multa, indenização e também o valor que o processo custou.

Sobre a facada, Zena Edwards foi encontrada ferida no último dia 6 em um apartamento que foi alvo de uma batida policial. As autoridades perceberam que ela tinha um ferimento nas costas e a levaram para um hospital. Durante a tentativa de levá-la para o socorro, ela resistiu e até cuspiu contra os policiais, precisando ser algemada. Com ela, os agentes encontraram uma porção de entorpecente.

Chegando ao hospital, a situação piorou, já que ela gritou com um médico negro que estava tentando lhe atender para que o ferimento por faca não se tornasse um problema maior.

Zena afirmou que o profissional não poderia ajudá-la, pois ele era “sujo”. “Você não pode limpar isso. Você é sujo!”, disse a jovem. Ainda não se tem detalhes sobre como a mulher foi esfaqueada.

De acordo com o advogado da Zena, ela não é racista e teria, segundo ele, feito uma “má escolha” das palavras ao falar com o médico.

No Brasil [VIDEO], racismo é crime. A injúria racial, de acordo com o Código Penal Brasileiro, consiste em ofender a honra de alguém em relação a sua raça, cor, religião, etnia ou origem. O crime de racismo envolve um grupo ou coletividade, normalmente relacionados a crimes mais amplos. O Ministério Público [VIDEO] é o responsável por processar quem comete a ofensa.

Impedir que pessoas de certo grupo social entrem em um estabelecimento, impedir acesso a prédios públicos, elevadores ou escadas ou negar serviço podem ser considerados racismo.