Uma jovem [VIDEO]de apenas 19 anos de idade chamada Noura Hussein acabou sendo condenada a morte por enforcamento na cidade de Omdumran, uma das maiores cidades do Sudão. A cidade vizinha da capital Cartum teve tal barbaridade após a própria jovem ter esfaqueado e tirado a vida de seu marido, que a violentou [VIDEO]sexualmente. O caso aconteceu em maio do ano passado, praticamente um ano atrás, porém, só teve sua conclusão nesta semana e é claro que ganhou destaque em todos os cantos do mundo através das redes sociais com a hashtag (#JusticeforNoura).

As leis no Sudão são diferentes do resto do mundo. Lá, o casamento é permitido já aos 10 anos de idade e não existe nenhuma proibição ou lei que criminalize o abuso entre casais.

Porém, se violência sexual não é forçar uma pessoa a ter relações íntimas sem o consentimento dela, o que é a definição de estupro para eles?

O advogado de Noura foi entrevistado pela grande rede de notícias CNN. Ele revelou que sua cliente se encontra surpreendida com a decisão da Justiça, que veio após a família do marido estuprador se recusar a aceitar o dinheiro previsto em lei e exigir que a garota fosse morte.

Agora, seu advogado juntamente com as organizações dos direitos humanos se encontram em uma verdadeira batalha contra o tempo. Foi dado um prazo de apenas 15 dias para que um recurso contra a decisão seja apresentado. O advogado usa em defesa de Noura o fato de que seu próprio pai teria a forçado a casar quando a jovem ainda tinha 15 anos de idade, assinado um contrato com o noivo assassinado.

E o segundo argumento é que ela teria agido em legítima defesa, para que não fosse abusada sexualmente pelo homem.

Eles também tentam chamar a atenção de ninguém mais ninguém menos Omar al-Bashir, atual presidente do Sudão. Desejam clemência do governante e como ultimato criaram campanhas online para que a absolvição da decisão seja feita. Yesmeen Hassan, diretora global da Equality Now, alega que Noura é uma vítima nesta história e precisa ser tratada como tal.

Burburinho nas redes sociais

Esse caso ganhou proporções a níveis internacionais. Internautas do mundo inteiro comentaram a respeito do assunto e muitos deles consideraram um absurdo que a mulher tenha sido condenado a morte. Os internautas acreditam mesmo que após ter sido violentada ela agiu em legítima defesa e por isso não merecia punição tão severa quanto a que recebeu por causa do ocorrido. Internautas de vários países pediram nas redes sociais para que a mulher fosse absolvida.