Para alguns, tratava-se de mais um jogo de cena vinda da Coreia do Norte em restabelecer o diálogo com a Coreia do Sul. O que por detrás se especula é um possível ganho de tempo do país comunista em fazer valer suas pretensões e objetivos misteriosos.

Outros pensam que nada ou pouco mudará, numa atitude de desconfiança e pessimismo. Porém, tanto um lado quanto o outro obtiveram, em parte, suas respostas depois do balanço do encontro entre o ditador Kim Jong-un e seu companheiro de fronteira ao Sul, o presidente Moon Jae-in.

Publicidade
Publicidade

Durante a reunião das duas Coreias, a Zona Desmilitarizada (área neutra implantada por precaução e para separação das nações) se transformou num palco de sorrisos e congraçamento. Pelo menos, na frente das câmeras, já faz 65 anos que um líder da Coreia do Norte não visitava a Coreia do Sul.

O vilarejo de Panmunjon, local do encontro dos líderes, viu algumas sementes de esperança rumo a um diálogo mais estreito.

Um dos sinais de que os norte-coreanos estão, digamos, mais flexíveis, seria a suspensão de seu programa nuclear dias antes da data oficial do encontro, ocorrido em 27 de abril deste ano.

Coreias do Norte e do Sul: das brigas para as conversações.
Coreias do Norte e do Sul: das brigas para as conversações.

Sincronismo e convergência

A Coreia do Norte começou com o ajuste de seus relógios ao fuso horário de seus compatriotas do Sul. Explica-se: o regime comunista adotou 30 minutos a mais desde o ano de 2015, em razão dos setenta anos de independência e liberdade diante da dominação japonesa. Portanto, a partir de ontem (05), Pyongyang e Seul marcam as horas de forma idêntica.

Outro gesto (já registrado nos Jogos de Inverno) aconteceu no esporte: as delegações de tênis de mesa se unificaram para competirem juntas o Mundial que se realiza na Suécia. A decisão foi conjunta e teve apoio da Federação Mundial de Tênis de Mesa.

Publicidade

Sinais vêm do início do ano

Parece que os acordos não são privilégios do mês de abril. Em fevereiro, os norte-coreanos entraram em contato com a Organização da Aviação Civil Internacional – vinculada à ONU -, buscando a reativação das linhas aéreas com a Coreia do Sul. Representantes da Organização irão na semana que vem à Coreia do Norte para tratar do assunto.

Com disposição para negociações, estabeleceu-se no encontro, a instauração de um escritório de informações dos dois países em uma cidade fronteiriça, Kaesong.

O intuito é garantir e mostrar o tráfego e a transparência de informações de ambos os lados. Se o projeto der certo, haverá a expansão de mais filiais nas respectivas capitais norte e sul-coreana.

Seul fazendo sua parte

É um equívoco pensar que somente a Coreia do Norte trabalhou mais na busca de soluções. A Coreia do Sul suspendeu o tom e as críticas que fazia ao regime ditatorial de Kim Jong-un, mas há de se lembrar que o líder do Norte é acusado de perseguição a opositores do regime.

Publicidade

Mais e mais

Decidir uma possível parada ou abandono dos testes nucleares parece prematuro e longe de se resolver ainda este ano. No entanto, Kim Jong-un deu o primeiro passo. Os americanos querem mais do que isso. Buscam a extinção dos testes de mísseis e armamentos nucleares.

Há informações de que a Coreia do Norte teria libertado três prisioneiros dos Estados Unidos. Eles foram transferidos de campos de trabalho forçados para um hotel. Não deixa de ser uma manobra para agradar a Donald Trump e seus correligionários. Por sua vez, o polêmico presidente americano já disse haver uma data marcada para se reunir com Kim Jong-un, mas não revelou qual seria essa data.

Publicidade

Expectativa

Uma das maiores torcidas do Mundo é que tanto Seul quanto Pyongyang assinem um acordo formal e oficial celebrando a paz na península. É que entre os anos de 1950 e 1953, aconteceu a Guerra da Coreia. Mesmo com o fim da guerra em termos práticos, houve a assinatura de um armistício, significando, do ponto de vista diplomático, um abandono às armas e à beligerância – um cessar-fogo. No entanto, desde 1953 até os dias atuais, tecnicamente as Coreias do Norte e do Sul ainda brigam. Tanto Moon Jae-in quanto Kim Jong-un acenaram com a possibilidade real de um acordo de paz. É ver para crer: fecha-se um dos últimos capítulos da Guerra Fria ou a ruptura definitiva e a hostilidade se instalam na península da Coreia.

Leia tudo e assista ao vídeo