Um caso está sendo notícia e gerando muita polêmica no mundo todo. Uma jovem sudanesa foi condenada à morte por enforcamento por ter matado o marido que a violentou sexualmente.

O Sudão, que é um pequeno país do continente africano, não possui leis que protegem as mulheres, o sistema judiciário é falido. Uma menina de 10 anos de idade pode se casar sem nenhuma autorização de um parente ou um juiz.

Por isso, muitos homens compra meninas de famílias mais pobres e se casam com elas sem nenhum problema, aponta a agência de notícias Reuters.

Tudo começou quando a jovem estudante Noura Hussein, de apenas 16 anos, foi obrigada pelos pais a se casar com um primo. Noura fugiu para uma cidade vizinha e morou com outros parentes por três anos.

De acordo com ativistas da Anistia Internacional que estão envolvidos no caso, em março de 2017, o pai da adolescente convenceu a jovem a voltar para casa, dizendo que ela não precisava mais se preocupar com o casamento, pois o assunto já tinha sido encerrado.

Segundo o advogado de Noura, ela foi enganada pelo pai e tudo não passava de um plano para obrigá-la a se casar com o primo. A jovem foi obrigada a se casar e ir morar com o marido.

Noura Hussein, em sua declaração ao Tribunal de Justiça do Sudão, disse que não quis manter relações sexuais com o marido. Com isso, ele ficou enfurecido e pediu a ajuda de dois primos e do irmão para segurá-la enquanto abusava sexualmente dela.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

O advogado da jovem, hoje com 19 anos, relatou que no dia seguinte ao estupro, o marido de Noura tentou violentá-la novamente, puxando seu cabelo e a agredindo fisicamente. Como estavam na cozinha, a jovem conseguiu pegar uma faca e desferiu vários golpes no homem até a morte.

A defesa luta nos tribunais por legítima defesa, enquanto a acusação diz que o crime foi premeditado. O tribunal do Sudão condenou a jovem Nora Hussein por homicídio premeditado e a pena é enforcamento. Os advogados da jovem têm apenas 15 dias para recorrer da sentença.

Mobilização internacional

A condenação por enforcamento de Noura Hussein lançou uma campanha internacional por um pedido de clemência pela jovem. Ativistas sudaneses da Austrália, Estados Unidos e Europa estão fazendo pressão a favor da jovem.

Pedidos de vários grupos de apoio a mulheres já foram enviados para a Organização das Nações Unidas (ONU), para que intervenha no caso, pedindo a liberdade da jovem, que agiu apenas para se defender.

Um dos fatos mais incríveis de toda esta história e que deixou muitas pessoas revoltadas é que o próprio pai de Noura levou a filha até a Polícia, dizendo que ela era uma verdadeira vergonha para a família e que merecia se apedrejada até a morte.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo