Um caso tem revoltado muita gente nos Estados Unidos. Gregory Vaughn Hill Jr, de 30 anos, foi morto na garagem de sua casa em 2014. O homem foi baleado pelo xerife Christopher Newman de St, Lucie, na Florida, após a polícia receber reclamações de um vizinho devido a barulho que vinha da casa da vítima.

Ao lado do corpo de Gregory foi deixada uma arma totalmente descarregada. A família garante que ele não tinha uma arma e não havia provas de que ele atirou contra o xerife o tentou fazê-lo, o que segundo a versão policial, justificou a morte do homem.

O caso foi decidido por júri popular nos últimos dias e, por unanimidade, julgou Gregory culpado pela própria morte ao dirigir alcoolizado.

Os motivos do júri em confronto com a versão da polícia e da família não batem e geram muitas dúvidas: afinal, ele estava na garagem de casa, estava dirigindo bêbado ou estava atirando na polícia?

Como se não bastasse ver o filho ser acusado de provocar a própria morte em um julgamento controverso, a mãe de Gregory ainda teve que ouvir que ela merecia um dólar pelas despesas com o velório e cada um dos três filhos da vítima merecia um dólar pelo dano moral de ter perdido o pai após ação do Estado. Os quatro dólares de indenização equivalem a R$ 15 na cotação atual.

O advogado da família decidiu criar uma página nas redes sociais para pedir a doação de fundos para a família. Até o momento eles receberam cerca de sete mil dólares. O advogado ainda afirma que vai pedir um novo julgamento para o caso de Gregory e que se este Direito lhe for negado, ajuizará um recurso.

A polícia de St Lucie elogiou o a ação de Christopher Newman, que teria matado Gregory para defender o seu parceiro. As circunstâncias [VIDEO], entretanto, não ficaram claras, pois não se sabe em qual momento seu parceiro corria risco de vida nas mãos de Gregory.

A mãe de Gregory ajuizou uma petição acusando a polícia de negligência [VIDEO] e um juiz ameaçou reduzir a indenização de quatro dólares para quatro centavos de dólares, pois o policial só teve 1% de culpa sobre a morte da vítima.

O que os autos do processo dizem

Os autos processuais dizem que em janeiro de 2014 uma vizinha ligou para a polícia para reclamar da música alta que vinha da casa de Gregory. Ao chegar no local encontraram a vítima na garagem que, segundo os policiais Christopher Newman e Edward Lopez, estaria com uma arma na mão.

Eles então dispararam e Gregory foi atingido por três tiros mortais, um dele na cabeça. Segundo o laudo, ele estava com uma arma descarregada no bolso de trás da calça. O advogado discorda, pois além da arma supostamente não ser da vítima, não daria tempo dele tirar a arma da mão, guardar no bolso e ser baleado em seguida.