Após entregar tanques de oxigênio para o grupo preso na caverna, Saman Kunan, de 38 anos, ficou sem o suficiente para o caminho de volta, nesse período ele teve perda de consciência e acabou falecendo no meio do trajeto.

Kunan estava envolvido nas operações de resgate do grupo, apesar de ser suboficial reformado, o ex-integrante da Marinha da Tailândia voltou especialmente para ajudar nas missões como voluntário.

O fato elevou a preocupação da equipe que está no local, pois a morte de um especialista treinado para esse tipo de situação deixa bem claro os riscos que o grupo poderá enfrentar, caso o resgate seja através do mergulho.

Sendo essa uma das opções que não foram descartadas até o momento.

Os 12 meninos, que têm entre 11 e 16 anos, mais o técnico de futebol, estão presos na caverna de “Tham Luang” desde o dia 23 de junho. Foram localizados por dois mergulhadores britânicos após nove dias de buscas intensas.

Apesar da morte trágica do mergulhador, a Marinha tailandesa disse que provavelmente as equipes não terão opção a não ser uma operação de resgate complexa.

O corpo de Saman Kunan será cremado na cidade de Sattaship, no sudeste do país, onde será realizado seu funeral.

Falta de oxigênio é a nova preocupação das equipes de resgate

Há uma nova preocupação que tem elevado o nível de tensão entre os membros da equipe de resgate. O local onde grupo se encontra é relativamente pequeno para a quantidade de pessoas que ali estão.

Isso fez com que o nível de oxigênio caísse para 15%. Para que se tenha uma ideia do quão a situação nesse momento é delicada, o nível normal é de 21%.

Nesse momento, as autoridades estão trabalhando intensamente para instalar um cabo que leve oxigênio até o local onde está o grupo.

Não há muito tempo

De acordo com o comandante da Marinha, Apakorn Yookongkaew, o grupo não poderá ficar na caverna por muito mais tempo, assim como se pensava no início.

Apakorn disse que cilindros de oxigênio foram distribuídos ao redor da câmara onde está o grupo, na tentativa de abastecer os meninos, o treinador e seus acompanhantes.

As equipes de resgate querem evitar qualquer plano de emergência que envolva uma saída prematura. Porém a previsão de mais chuvas nos próximos dias pode causar um aumento no nível da água. Sendo assim, talvez não reste outra opção.

Quais sãos as dificuldades no momento?

Entre ida e volta, até onde está localizado o grupo, um mergulhador experiente leva aproximadamente onze horas. O trajeto tem vários quilômetros, incluindo passagens estreitas e trechos complicados.

Outra dificuldade é a quantidade de lama presente na água, o que acaba dificultando a visibilidade e a capacidade de localização, mesmo para os mergulhadores mais experientes.

Por essas razões, os socorristas preferem esperar o nível de água abaixar até que seja possível o grupo sair caminhando, com apenas alguns trechos submersos que seriam percorridos com mascaras de mergulho.

Entretanto, essa opção pode oferecer alguns riscos devido à água das chuvas, que podem escoar por buracos na caverna inundando todo o local que se encontram os sobreviventes.

Siga a página Natureza
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!