O resgate na Tailândia estava sendo acompanhado com apreensão por todo o mundo. Os doze meninos do time de futebol "Javalis Selvagens" e seu técnico, Ekkapol Chantawong, de 25 anos, ficaram presos durante uma visitação, quando foram surpreendidos pelas fortes chuvas que obstruíram as entradas para a caverna, obrigando-os a se refugiarem no topo de uma rocha. Foram 9 dias desaparecidos, até que fossem encontrados na segunda-feira (02), por dois mergulhadores ingleses.

A distância entre a entrada e o local onde foram encontrados, era de 4 quilômetros. Os jovens estavam abatidos e ainda tiveram que suportar a situação pelos próximos 8 dias.

A princípio, diante de tantas dificuldades para chegar até os meninos, as autoridades consideraram a possibilidade de deixá-los na caverna até a temporada de chuvas passar. Eles os acompanhariam e os manteriam a salvo durante esse tempo.

Entretanto, a previsão falava sobre uma espera de quatro meses, ou seja, algo impossível para os meninos que já estavam enfrentavam a queda de oxigênio e a elevação do dióxido de carbono. Uma equipe com 90 mergulhadores - formada por 40 tailandeses e 50 estrangeiros - foi mobilizada e se depararam com situações arriscadas durante a operação.

Momentos de tensão na retirada dos jovens

Eram muitos pontos de total escuridão, passagens inundadas e locais estreitos.

Em um deles, a abertura tinha apenas 60 centímetros, obrigando os mergulhadores a retirarem os tubos de oxigênio para conseguirem passar. Se estava difícil para os mergulhadores profissionais, o risco de os meninos não conseguirem era grande. Os meninos tiveram que aprender sobre técnicas de mergulho em um espaço de tempo muito curto, para enfrentar o percurso que levaria cerca de seis horas para ser percorrido.

Alguns sequer sabiam nadar.

O primeiro resgate aconteceu no domingo (08), e quatro jovens foram retirados. A previsão era a de que mais três grupos seriam formados. No entanto, as previsões de fortes chuva fizeram com que as medidas fossem alteradas. Mais dois grupos foram formados, sendo que o primeiro - formado por quatro meninos - foi resgatado na segunda-feira (09).

O último grupo, por fim, foi retirado. Ele era formado por 4 jovens e o técnico. Cada menino contou com dois mergulhadores orientando. Eles estavam presos por cordas aos profissionais para que nenhum tipo de tragédia acontecesse.

Segundo o "The Guardian", as operações continuam para o resgate de um médico e três fuzileiros que estavam na caverna provendo o necessário para a segurança dos jovens.

O primeiro-ministro tailandês, Prayut Chan-o-Chau, informou que os meninos tomaram ansiolíticos antes de chegar à superfície da caverna e já passaram pelos primeiros-socorros em um hospital improvisado na entrada da mesma. Agora a preocupação das autoridades é com a saúde dos jovens que, por terem enfrentado um jejum forçado, poderão desenvolver infecções oriundas do sistema imunológico afetado.

Eles saíram do hospital improvisado e foram direto para o hospital da província de Chiang Rai, que fica cerca de 70 quilômetros de distância, onde permanecem sob observação.

O sucesso da operação já está sendo vista como um milagre pelas autoridades: “Não temos certeza se isso é um milagre, uma ciência ou o que é. Todos os 13 Javalis agora estão fora da caverna”, foi a posição da Marinha Tailandesa.

Siga a página Natureza
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!