Você pode chamar de milagre, sorte, obra do destino ou qualquer outra coisa, mas o fato é que, segundo a rede BBC e o site The Kansas City Star, uma história surpreendente ocorreu recentemente nos Estados Unidos, quando um garoto de 10 anos de idade teve a cabeça perfurada profundamente por um espeto de carne usado em churrascos e sobreviveu sem qualquer dano mais sério à sua integridade física.

De acordo com a mídia internacional, tudo aconteceu durante a tarde (no horário local) do último sábado (8), quando o menino Xavier Cunningham estava brincando em uma casa na árvore que se encontra no quintal de sua residência, situada no município de Harrisonville, no Estado do Missouri.

Repentinamente, o garoto começou a ser atacado por um bando de vespas de uma das espécies conhecidas popularmente em território norte-americano como "Yellow jacket" ("Jaqueta amarela" em tradução livre, nome comum dado a um grupo animais semelhantes entre si e pertencentes aos gêneros científicos Vespula e Dolichovespula). Infelizmente, a investida dos insetos agressivos fez com que Xavier se desequilibrasse e caísse da casa na árvore diretamente sobre um espeto quadrado de metal de 30 cm de comprimento, o qual atingiu seu rosto e penetrou 15 cm, indo até a parte traseira do crânio.

Uma situação milagrosa

A mãe de Xavier, Gabrielle Miller, contou ao The Kansas City Star que ouviu os gritos do filho e desceu correndo as escadas de sua residência para entender o que estava acontecendo, quando viu o garoto entrando em casa com aquela "coisa saindo da cabeça".

Às pressas, o menino foi levado para o hospital local, e posteriormente transferido duas vezes: primeiramente, para o centro médico infantil de Kansas City, e depois para o hospital da Universidade do Kansas, onde passou por uma cirurgia no domingo (9).

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Curiosidades

Por se tratar de um objeto quadrado e com bordas afiadas ao invés de ser redondo, o espeto demandou um trabalho mais complicado para os cirurgiões no momento da remoção – torções ou movimentos bruscos do utensílio metálico poderiam romper estruturas internas sensíveis e causar a morte do paciente –, mas especialistas conseguiram realizar a operação (que se estendeu por horas) com absoluto sucesso.

Embora o ferimento fosse virtualmente mortal – enquanto estava a caminho do socorro Xavier chegou até a dizer à mãe que podia sentir que "estava morrendo" – o espeto foi cravado em um local onde surpreendentemente não atingiu olhos, cérebro, medula espinhal ou qualquer vaso sanguíneo grande.

Na verdade, exames mostraram que não havia sequer sangramento ativo.

Um dos doutores que atou no caso, Koji Ebersole – diretor de neurocirurgias endovasculares do Sistema de Saúde da Universidade do Kansas – afirmou publicamente que a situação envolvendo Xavier é do tipo da que ocorre "uma vez em um milhão", e que pode até ser descrita como "milagrosa".

Ebersole revelou que nunca havia visto nenhum objeto transpassado a tamanha profundidade onde a vítima pudesse sobreviver, e "muito menos em uma onde [nós da equipe médica] achamos que a recuperação será quase completa, isso se não for [totalmente] completa".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo