O cenário é assustador. E mais assustador ainda são os números que os incêndios Camp Fire, ao norte do Estado da Califórnia, e o Woolsey Fire, ao sul, já produziram de vítimas. 74 pessoas mortas e mais de 1000 estão desaparecidas, apontam os números da tragédia.

O xerife do condado de Butte, Kory Hoena, afirmou, nesta sexta-feira (16) que, em todo o estado, o número dos desaparecidos desta tragédia saltou de 631 para 1.011.

Camp Fire registrou o número de 71 mortes. E Woolsey Fire somou mais 3 mortes, perto de Los Angeles, no sul do estado.

De acordo com Honea, a lista dos desaparecidos não é definitiva. Os números podem mudar, porque muitos indivíduos podem estar a salvos, porém sem contato com amigos, familiares e autoridades.

12.000 imóveis foram destruídos, a maioria em Paradise [VIDEO], cidade completamente devastada pelas chamas do incêndio Camp Fire. 57.500 hectares de vegetação também foram consumidos pelo fogo.

As equipes de bombeiros conseguiram controlar 50% das chamas. A previsão para este fim de semana, porém, é de vento forte e clima seco, que podem agravar ainda mais essa situação já calamitosa.

Longe de casa, em abrigos e acampamentos, seguem 40 mil pessoas que tiveram de deixar as suas casas para protegerem-se dos incêndios.

Autoridades de saúde pública fazem alerta

A quilômetros de distância, já se pode ver nuvens de fumaça do Camp Fire, no céu. Como na baía São Francisco e Sacramento. Essas regiões já estão em estado de alerta.

As autoridades em saúde pública já alertaram os moradores dessas regiões sobre os perigos que a fumaça e as partículas de cinzas podem provocar à saúde dos olhos e pulmões, como irritações oculares e pulmonares.

Está prevista para este sábado (17), uma visita do presidente dos Estados Unidos das América, Donald Trump.

Histórico de incêndios

O estado de Califórnia registra incêndios desde 1932. Durante este período, os nove maiores focos de fogo foram registrados entre os anos de 2000 a 2010.

O bioclimatologista, Park Williams, do Observatório Terrestre Lamont-Doherty, da Universidade de Columbia, afirmou que os agravamentos dos incêndios [VIDEO]estão ligados à mudanças climáticas.

Segundo Williams, a temperatura da região da Califórnia subiu entre 3 a 4 graus devido ao aquecimento global, e isso contribui diretamente para os surgimentos dos incêndios [VIDEO].