Anúncio
Anúncio

Recentemente vários arqueólogos utilizaram máquinas de radar para analisar mais detalhadamente os alicerces do castelo de Corvin, construção bastante conhecida, localizada na lendária região de Transilvânia, na Romênia. Foi nesse castelo que Vlad 3°, que inspirou a criação do personagem conde Drácula [VIDEO], ficou preso.

Segundo edição da publicação Live Science, esses cientistas só assim puderam encontrar vestígios de inúmeras estruturas até então não conhecidas pelos historiadores.

Os estudiosos se apressaram em dizer que não foi encontrada nenhuma câmara de torturas de Drácula, porém detectaram restos de um prédio datado do século 17, o qual deve ter sido usado como centro administrativo do lugar.

Advertisement

Arqueólogos estudam o castelo do 'conde Drácula'

Todas essas descobertas auxiliarão no quebra-cabeças que envolve a forma e a aparência histórica do castelo sombrio para muitas pessoas. Isabel Morris, que pertence à universidade norte-americana de Princeton reforçou que, como não existe nenhum mapa mais abrangente do castelo, os estudo e restauração do local se tornam mais difíceis.

O que se sabe de plausível sobre a figura fantasmagórica de Drácula, que sem sombra de dúvidas ele é um dos personagens mais Famosos como vampiro da literatura, cinema e Televisão mundiais, qual talvez tenha sido inspirado em Vlad 3°, então príncipe do território que hoje pertence à Romênia [VIDEO], por volta da segunda metade do século 15.

Vlad 3° ficou marcado pelos seus atos de violência, tortura e execuções massivas, recebendo o apelido de Drácula, algo que em tradução livre significa "diabo".

Advertisement

Obviamente que Vlad 3° está rodeado de muita ficção sobre como agia em relação aos seus inimigos, o que torna difícil de saber o que é verdade ou mentira. Por outro lado, o castelo pertencente a família Corvin chama a atenção dos cientistas e pessoas comuns acerca dos relatos sobre vampiros, indivíduos esses que querem por que querem obter provas da existência de um Drácula real.

Morris junto com os outros arqueólogos através de radares especiais, que com ondas especiais penetram dezenas de metros nas superfícies, tentaram identificar os "quartos de tortura" e algumas outras salas perdidas, debruçando-se nos alicerces do castelo.

Todavia, Isabel e equipe não obtiveram sucesso em encontrar nada disso, somente resquícios de construções administrativas mais antigas, Encontraram ainda "pilares" de rocha especiais, que têm por função suportar a construção do castelo nos locais onde o alicerce se afasta do terreno rochoso.

Quem de fato foi Drácula

O personagem da literatura criado por Bram Stoker em 1897 dá vida no imaginário das pessoas a um lendário vampiro da ficção.

O conde Drácula tem muito do comportamento de Vlad 3° (Vlad Țepeș), nascido em 1431 e que governou boa parte do que corresponde ao país romeno nos tempos atuais.

Acontece que o pai de Vlad 3°, Vlad 2°, pertencia a uma sociedade cristã de Roma, cujo nome era “Ordem do Dragão”, elaborada no sentido de defender a região das sucessivas hordas de invasões pelos turcos otomanos.

Como Vlad 2° era denominado de Dracul (dragão), o seu filho (Vlad 3°), recebeu o título de Draculea (filho do dragão). Já a palavra “dracul”, pode ser traduzida por “diabo”, sendo posteriormente usada para se referir aos representantes da família Draculea, tanto pelos seus inimigos quanto através da superstição de camponeses humildes.

As lendas rezam que Vlad 3° tratava os seus inimigos com muito rigor, na maioria das vezes os matando ou torturando.

A título de curiosidade, a crendice de que Drácula é um morto vivo [VIDEO] foi originada quando em uma batalha ele foi golpeado fortemente na cabeça e desmaiou. Os seus comandados vendo isso trataram de fugir levando o corpo do seu líder, mas Drácula recobrou os sentidos, voltou ao combate, e o seu exército ganhou a luta naquele momento contra os invasores turcos.