Atualmente, Rubie Marie tem 35 anos, ela nasceu e cresceu no País de Gales. Rubie teve uma infância repleta de felicidade, porém viu tudo mudar quando ela completou 15 anos de idade. A garotinha foi levada para Bangladesh como se estivesse passeando de férias com sua família.

Marie conta que inicialmente eles iriam ficar por seis semanas em Bangladesh, porém a estadia aumentou para dois meses, depois foi para três e enfim por seis meses. Rubie conta que naquela ocasião ficava suplicando para ao seu pai para que eles voltassem para casa, pois ela estava sentindo falta dos amigos e da escola.

Publicidade

Mas o pai apenas respondia que eles haviam gastado dinheiro demais para ir pra lá. Durante todo o tempo, os pais tentavam esconder da menina o casamento arranjado.

Ao relembrar a primeira vez em que ela viu seu futuro marido, ela contou que as lembranças em sua mente são como se fossem recentes. Rubie relatou que estava sentada à mesa com sua família, jantando, quando ele surgiu, sentou-se e também começou a se alimentar. Na sequência, o rapaz questionou Marie se não iria achar ótimo a ideia de se casar com ele.

Ela ficou completamente envergonhada. Ela surtou, jogou o prato no chão, se retirou da mesa, aos berros correu para o quarto e bateu a porta, pois não estava sabendo lidar com aquela situação.

A garota foi "leiloada" pelos próprios tios. O sentimento de Marie é como se ela fosse uma escrava em um lugar completamente estranho. No sistema de "leilão de mulheres" levava a garota quem oferecesse o maior valor.

Fuga para a Inglaterra

Indefesa, a garota foi obrigada a casar com um rapaz que tinha o dobro de sua idade.

Publicidade

Durante a festa de noivado, ela surgiu vestida como uma boneca. O casamento aconteceu e após isso, o esposo que a comprou em um leilão, desejava ter um filho. Na tentativa de conseguir um herdeiro, Rubie relata que o marido a violentava todos os dias. Ao ter um filho com ela, ele poderia morar no Reino Unido.

Foi então que Marie ficou grávida e voltou para o País de Gales para que pudesse dar à luz. Foi nesse dia que ela conseguiu fugir. Atualmente, ela mora e trabalha como ativista na Inglaterra. Lá, ela educa as pessoas a respeito do casamento forçado.

Criminalizar é a solução

Rubie Marie é mais uma vítima do casamento forçado. Assim como ela, muitas outras crianças foram obrigadas a se casar. Os ativistas acreditam que criminalizar o casamento forçado seria a solução. Pois, a criminalização incentivaria muitas mulheres a denunciarem casos como este.

Embora o Reino Unido considere o casamento forçado como crime desde 2014, no País de Gales, só existiu uma denúncia formal. Porém, o governo acredita que em média aconteçam 100 desses casamentos por ano.

Publicidade