Weverton Tiago Silva Prado, de 33 anos, é um dos sócios de uma empresa responsável pelo acompanhamento de casos envolvendo a repatriação de corpos de brasileiros no exterior. A empresa em questão se localiza em Massachussetts, nos Estados Unidos, e Tiago é um dos responsáveis pelo acompanhamento dos casos de maior complexidade.

Em entrevista à BBC News Brasil, ele relatou algumas situações vividas ao longo de sua carreira e também falou a respeito de sua jornada atípica nos Estados Unidos, que o levou de imigrante ilegal a empresário.

A respeito desse último ponto, Tiago destaca que ele poderia, atualmente, estar no sistema carcerário norte-americano, da mesma forma que diversos amigos seus da escola. Entretanto, ele conseguiu se tornar um cidadão do país, teve a oportunidade de estudar e subiu na vida.

Ao lembrar das famílias atendidas, Tiago chega a se comover. Isso se torna mais intenso quando o empresário fala a respeito de pessoas que faleceram tentando entrar de forma clandestina nos Estados Unidos, por meio da fronteira com o México.

O número de pessoas que falecem nessa situação é bastante alto: somente em 2018 foram 283, cujas nacionalidades variam. Esse, entretanto, não foi o pior ano em termos numéricos.

Brasileiros mortos na travessia

De acordo com o Itamaraty, o número oficial referente aos brasileiros que falecem ou desaparecem na fronteira não corresponde à realidade da situação. Nesse sentido, é possível destacar que existem registros relativos a somente três casos de desaparecimento e dois de falecimento na tentativa de travessia da fronteira entre o México e os Estados Unidos.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Opinião

Também é possível apontar o desaparecimento de 19 pessoas que tentavam atravessar pelo mar.

O governo ressalta que tais números funcionam apenas como indicativos, uma vez que se tratam de casos registrados a partir de informações enviadas, de maneira voluntária, por autoridades internacionais ou mesmo pela própria família das pessoas que faleceram. Portanto, é possível que alguns casos não tenham sido devidamente comunicados, de modo que o Itamaraty não descarta a possibilidade de que possam existir mais casos nesse sentido.

A respeito desses fatos, a BBC News Brasil contatou os parentes de pessoas que faleceram nessas circunstância e também algumas pessoas responsáveis por lidar com essas mortes, como é o caso de Tiago. A partir dos dados coletados, a BBC construiu uma reportagem baseada no assunto, mas sem identificar as pessoas que lhe prestaram depoimento, para protegê-las.

A partir dessas histórias, é possível perceber os motivos pelos quais as pessoas correm os riscos da travessia, bem como aspectos relativos à organização das viagens para a fronteira dos Estados Unidos e tudo o que pode dar errado ao longo do processo.

Além disso, também foram fornecidos detalhes a respeito de como tudo isso é encarado pelas pessoas que ficam no Brasil ou daquelas que já estão no exterior esperando por membros da sua família.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo