Incêndios florestais assolam o norte da Ucrânia há vários dias e atingiram a zona de exclusão de Chernobyl, em um raio de 30 quilômetros no qual é proibida instalação de habitantes. Na última segunda feira (13), as chamas chegaram à cidade abandonada de Pripyat. E agora, segundo a BBC, o incêndio está a 2 quilômetros da antiga usina nuclear abandonada de Chernobyl, o local guarda os resíduos mais perigosos da fábrica.

De acordo com a polícia ucraniana, o incêndio iniciou no sábado (4), quando um fazendeiro colocou fogo em uma grama seca nas proximidades da zona de exclusão de Chernobyl. O governo do país está utilizando aviões e helicópteros para apagar as chamas, além de 300 homens que foram mobilizados para trabalhar no incêndio que agora, segundo o governo ucraniano, está sob controle.

Recentemente, o chefe interino do serviço de inspeção ecológica da Ucrânia, Yegor Firsov, fez uma publicação em sua página no Facebook dizendo que os níveis de radiação na área estão acima do normal devido ao incêndio. O governo negou a informação e disse que a radiação estava “dentro dos limites normais”. Mais tarde, Firsov também retirou suas afirmações.

A preocupação dos especialistas no assunto é com o vento, que agora sopra em direção a capital da Ucrânia, e pode levar radiação para os três milhões de habitantes ucranianos residentes em Kiev. Além do mais, o vento também pode espalhar as chamas e aumentar ainda mais o raio de propagação do incêndio.

Alegando que o nível de radiação no ar é seguro, o governo ucraniano manifestou maior preocupação com a conservação da cidade abandonada de Pripyat, visto que grande parte da renda regional provem das visitas turísticas.

Em 2019, devido ao sucesso de "Chernobyl", minissérie produzida pela HBO, o turismo regional cresceu 30%.

O desastre de Chernobyl

Considerado o maior acidente nuclear da história, em 1986 uma explosão em Chernobyl gerou uma nuvem de fumaça radioativa que atingiu grande parte os países da Europa e afetou principalmente a área ao redor da usina nuclear.

Atualmente, é proibido morar em um raio de 30 quilômetros da usina que, apesar do desastre, só foi totalmente desativada nos anos 2000, quando o último reator foi desligado.

O Centro Nacional de Pesquisa Médica de Radiação da Ucrânia estima que cerca de 5 milhões de habitantes da antiga União Soviética, incluindo 3 milhões de ucranianos, tenham sido afetados pelo desastre da usina nuclear de Chernobyl.

1,8 milhão de ucranianos em 2018 eram considerados vítimas do desastre. Na Bielorússia, outras 800 mil pessoas também foram atingidas pela radiação.

Nos dias de hoje, o governo da Ucrânia paga auxílios a 36.525 viúvas de homens que são considerados vítimas do acidente. Também houve um aumento perceptível no número de pessoas com deficiência entre esta população, passando de 40.106 em 1995 para 107.115 em 2018.

Siga a página Natureza
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!