O mundo das notícias é complexo, e histórias e imagens falsas costumam ser amplamente compartilhadas nas redes sociais. A equipe editorial da Blasting News identifica as informações enganosas e as fraudes mais populares toda semana para ajudá-lo a entender o que é verdade e o que é mentira. Aqui estão alguns dos boatos falsos mais compartilhados da semana.

MUNDO

Alegação: Google excluiu a Palestina de seus mapas

Fatos: Milhares de postagens foram compartilhadas nas mídias sociais em todo o mundo promovendo a hashtag #PalestineIsHere, uma campanha para denunciar a suposta decisão do Google de excluir a Palestina de seus mapas. Para os internautas, essa ação indicaria o viés da empresa, apoiando indiretamente a política israelense de anexação.

Verdade: Depois de ver essa alegação, um porta-voz do Google disse à agência AFP no último dia 20 de julho que nenhuma alteração foi feita recentemente nas fronteiras ou territórios nesta parte do mundo.

O porta-voz também especificou que o Google nunca demarcou a Palestina no Google Maps. Essa mesma alegação também chegou a ser compartilhada em 2016, e vários veículos mostraram na época que a Palestina nunca foi demarcada no Google Maps.

EUA

Alegação: Starbucks apoia a campanha "Desfinancie a Polícia"

Fatos: Uma declaração amplamente compartilhada nas redes sociais afirma: “O Starbucks diz desfinancie a polícia.

Vamos desfinanciar o Starbucks. Peça a todos os amigos e familiares para não serem clientes do Starbucks”.

Verdade: Segundo o site Snopes, "Desfinancie a Polícia" é uma campanha crescente para "retirar substancialmente o financiamento das forças policiais, bem como para substituir os modelos existentes de aplicação da lei local". O movimento recebeu uma forte oposição de partidos de direita, como apoiadores de Trump.

No entanto, como relata o Snopes, não há nenhum indício de que o Starbucks esteja apoiando a campanha "Desfinancie a Polícia". A rede de cafeterias está participando da campanha “café com um policial”, que convida policiais a tomarem um café em suas lojas, com o objetivo de criar uma comunicação entre eles e os cidadãos. Essa iniciativa, como observa o Snopes, vai contra os princípios da campanha "Desfinancie a Polícia", que defende que "as relações estão danificadas de maneira irreparável e os esforços para reformar o policiamento falharam e não devem mais ser tentados".

REINO UNIDO

Alegação: Governo do Reino Unido admitiu que vendeu "acidentalmente" no último ano ao menos 10.000 crianças a conhecidos traficantes de crianças

Fatos: Um artigo foi amplamente compartilhado no Facebook com a seguinte manchete: "O governo do Reino Unido admitiu que, somente no último ano, vendeu ‘acidentalmente’ ao menos 10.000 crianças a conhecidos traficantes de crianças".

Verdade: Conforme relata a agência Reuters, a alegação tem origem em um artigo publicado em 2018 pelo site YourNewsWire. Este site foi descrito pela CBS como um "site de notícias falsas para se ter cuidado". O artigo compartilhado diz: "O governo do Reino Unido admitiu que, somente no último ano, vendeu ‘acidentalmente’ ao menos 10.000 crianças a conhecidos traficantes de crianças.

Dezenas de milhares de crianças desaparecem misteriosamente dos cuidados do governo todos os anos, e acabam sob os cuidados de traficantes sexuais, revelam dados recentes do governo”.

No entanto, como afirma a Reuters, "o YourNewsWire teve artigos verificados mais de 80 vezes antes de deixar de publicar sob esse nome em 2018". O site costumava apontar para dados do governo e manipular os números para provar um argumento. Nesse caso, o Departamento de Educação do governo do Reino Unido publicou números em setembro de 2017, declarando que "no ano encerrado em 31 de março de 2017, houve 10.700 crianças cuidadas que tiveram um incidente de desaparecimento”. Nada menciona que as crianças estavam sendo vendidas a “conhecidos traficantes de crianças”e a maioria dos casos de desaparecimento durou apenas um curto período de tempo: “4.230 incidentes de desaparecimento (89%) duraram 2 dias ou menos e 490 duraram mais de 30 dias”, diz o relatório.

FRANÇA

Alegação: Membros do movimento Panteras Negras atacaram e vandalizaram igrejas nos EUA

Fatos: Algumas semanas após a morte de George Floyd, várias postagens em francês foram compartilhadas no Facebook, afirmando que o movimento Panteras Negras atacou e vandalizou igrejas nos Estados Unidos. Várias fotos são compartilhadas com a postagem para provar essa afirmação. A legenda diz: “Panteras Negras atacam igrejas nos EUA. Eles destroem todas as igrejas nos EUA com estátuas brancas de Jesus e Maria, porque, segundo eles, é a origem do mal na comunidade negra do mundo e do racismo”.

Verdade: Usando o Google Reverse, a AFP Fact Check descobriu que as fotos foram tiradas durante uma manifestação antigoverno nas ruas de Santiago, no Chile, em 8 de novembro de 2019.

A maioria dessas fotos pertence à European Pressphoto Agency e foi tirada pelo fotógrafo Orlando Barria. A legenda das imagens diz: “Objetos removidos da Paróquia da Ascension durante protestos antigoverno na Plaza Italia, no centro de Santiago, Chile".

AMÉRICA LATINA

Alegação: Foto de Obama mostra que novo coronavírus foi planejado desde 2015

Fatos: Publicação em espanhol que circulou em perfis do Facebook na América Latina afirma que imagem mostra Barack Obama visitando em 2015 laboratório em Wuhan responsável por “fabricar” o novo coronavírus. A legenda do post afirma: “Uma imagem de cinco anos atrás. Laboratório chinês de Wuhan. Barack Obama, Anthony Fauci e Melinda Gates visitam a ‘fábrica’ ​​de vírus para verificar o progresso da pesquisa com coronavírus”.

Verdade: A alegação, no entanto, não faz o menor sentido. Primeiramente, a imagem é na verdade de dezembro de 2014. Ao contrário do que o boato afirma, a imagem mostra então presidente dos EUA Barack Obama, o imunologista Anthony Fauci e a então secretária do Departamento de Saúde e Serviços Humanos Sylvia Mathews Burwell –e não a esposa de Bill Gates, Melinda– durante uma visita ao Centro de Investigação de Vacinas do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infeciosas (Niaid). Segundo informações da revista Science, que noticiou o fato à época com a mesma foto, a visita de Obama ao centro se deu em ocasião do desenvolvimento de uma vacina contra o ebola.

ITÁLIA

Alegação: Bill Gates prevê 700.000 vítimas por causa da vacina da Covid-19

Fatos: Artigo publicado no último dia 15 de julho no site de extrema-direita DataBase Italia, e compartilhado centenas de vezes nas redes sociais, afirma que, em entrevista à CNBC, o bilionário e filantropo Bill Gates disse esperar que ao menos 700 mil pessoas sofrerão danos permanentes por conta de reações adversas à vacina da Covid-19.

Verdade: A alegação espalhada pela página italiana na verdade começou a circular na rede ainda em maio, quando diversas agências de checagem de fatos publicaram artigos mostrando que a informação é falsa. O que Bill Gates disse de fato na ocasião foi: “Nós claramente precisamos de uma vacina que funcione na faixa etária mais alta, porque eles correm maior risco [...] Sabe, se tivermos um efeito colateral em cada 10.000, serão 700.000 pessoas que sofrerão com isso... Então, realmente entender a segurança em escala gigantesca em todas as faixas etárias ... é muito, muito difícil”. A declaração mostra, na verdade, que ele estava alertando para o fato de que mesmo erros mínimos no desenvolvimento da vacina não podem ser tolerados, pois os custos humanos seriam altíssimos.

PORTUGAL

Alegação: Álcool em gel elimina "barreira imune natural do nosso corpo"

Fatos: Publicação compartilhada em perfis portugueses no Facebook afirma que, de acordo com um naturopata francês, o álcool em gel "não deve ser usado por vários dias seguidos porque elimina a primeira barreira imune natural do nosso corpo".

Verdade: A afirmação é falsa. Em entrevista à agência portuguesa de fact-checking Polígrafo, o médico João Júlio Cerqueira afirma que "as vantagens de desinfeção das mãos com géis à base de álcool são imensamente superiores às possíveis desvantagens associadas à relativa agressividade desses produtos". Segundo ele, o uso contínuo do álcool em gel pode ocasionar o ressecamento da pele ou o aparecimento de feridas, mas, em ambos os casos, o simples uso de cremes hidratantes resolve o problema.

BRASIL

Alegação: Assintomáticos da Covid-19 transmitem anticorpos a outras pessoas

Fatos: Post compartilhado em páginas brasileiras no Facebook alega que pessoas infectadas com o novo coronavírus e que não desenvolvem sintomas são capazes de transmitir anticorpos para outras pessoas.

Verdade: Em entrevista à agência brasileira de fact-checking Aos Fatos, o médico Márcio Sommer Bittencourt, do Hospital Universitário de São Paulo, afirma que “não se transmite imunidade de uma pessoa para a outra”. Segundo ele, “imunidade é a capacidade do seu corpo produzir anticorpos quando você precisa”. Já o infectologista Juan Carlos Cataño, professor da Universidade de Antioquia, na Colômbia, afirma em entrevista à agência AFP que “há apenas quatro opções para que os anticorpos se formem.

Uma opção é: você é exposto, é infectado e assim gera imunidade natural, correndo o risco de que essa exposição o leve a contrair uma doença e você pode morrer. A outra é que você se vacine e gere anticorpos indiretamente para protegê-lo quando você for exposto ao vírus naturalmente. Outra é em uma transfusão específica de plasma de anticorpos, e a última é que seja passada da mãe para o feto através da placenta”. Ainda segundo Cataño, os assintomáticos são capazes de transmitir o vírus para outras pessoas.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Tecnologia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!