Muitos são os casos de pessoas que estão perdendo suas vidas para o novo coronavírus, que tomou conta do mundo, mas muitos são os casos de pacientes que lutam bravamente pela vida e conseguem superar a doença. Esse é o caso do piloto escocês Stephen Cameron, de 42 anos, que passou meses em estado grave no Vietnã, após ser diagnosticado com a covid-19.

Piloto fica dois meses em coma

Stephen Cameron ficou conhecido como "Paciente 91" e foi considerado o caso mais grave de pacientes com coronavírus no Vietnã, país que não registrou nenhuma morte pelo vírus. O piloto foi hospitalizado em março e ficou 68 dias em coma induzido na UTI, emagreceu 30 quilos, seu pulmão reduziu a 10% da capacidade original na fase mais crítica da doença e, além disso, teve falência múltipla de órgãos e perdeu o movimento das pernas.

Em um desabafo à BBC, o homem disse que é um exemplo vivo do que o vírus pode fazer e do quanto é grave e deixou um conselho aos leitores: "Não sejam blasés com o coronavírus." Vale lembrar que blasés está relacionado a atitude de uma pessoa cética, apática ou indiferente. Ele relembrou que as pessoas fazem cara feia para cumprir as orientações para proteção, mas que isso é muito sério, não é brincadeira, e que ele ficou 10 semanas ligado a aparelhos.

Recuperação do piloto

Os médicos de Stephen disseram que ele agora tem um longo caminho até a recuperação e citando seu período na UTI, disse que é como se ele tivesse corrido diversas maratonas. O homem voltou para a Escócia no dia 12 de julho e, segundo o mesmo, ele foi o paciente mais grave da Ásia durante um período e que os médicos puderam aprender com o seu caso para ajudar pacientes com quadros parecidos no Vietnã.

Os médicos disseram que não tinham experiência com pacientes ligados a um respirador por mais de um mês e meio e que a recuperação do paciente foi excepcional. Por pouco o paciente não teve que ser submetido a um transplante de pulmão, após o órgão chegar a 10% da sua capacidade de funcionamento.

O piloto disse que no momento em que acordou se questionou se um dia poderia voltar a andar ou se estaria paralisado pelo resto da vida, visto que não sentia os seus pés.

Ele disse que não sabia se esse era o fim da sua carreira como piloto. O homem pretende voltar ao comando de um avião no próximo ano, mas antes terá que passar por um período longo e árduo de recuperação, inclusive aprendendo a voltar a andar.

Como o piloto pegou o coronavírus

A luta para manter o piloto vivo envolveu os melhores médicos do Vietnã, que tem quase 100 milhões de habitantes e não teve nenhum caso fatal.

A sua história ficou nacionalmente conhecida no país e os telejornais discutiam seus exames e seu quadro de Saúde em rede nacional.

Centenas de jornalistas e cidadãos do país acompanharam a sua alta hospitalar há duas semanas, quando ele voltou para a Escócia. O rapaz pegou o vírus em um bar que era frequentado por estrangeiros que viviam no Vietnã, local onde surgiu o maior surto da doença no país.

O caso do piloto gerou polêmica, pois as pessoas especulavam que fosse ele quem teria sido a fonte do surto da doença, visto que ele tinha estado em Bangcoc dias antes, por causa de um visto, e atribuíram a ele ter levado o vírus até o local. Ele contou que foi o primeiro a contar que não estava se sentindo bem e que por isso mesmo, era inevitável que fosse culpado pelas pessoas.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!