Segundo o site "Slate", um quadro da artista plástica britânica Leena McCall foi removido da Exposição Anual da Sociedade de Mulheres Artistas da Galeria Mall, de Londres, por expor a genitália feminina de forma "pornográfica". Uma das justificativas foi a de que se deveria proteger "crianças e adultos vulneráveis" que visitam a exposição. E para finalizar a comédia do absurdo, a obra foi substituída por outro quadro de mulher nua, menos "desafiador e peludo".





Hipocrisia. A palavra é derivada do grego "hypokrisía" e tem seu significado como sendo "o hábito que se baseia na demonstração de uma virtude ou de um sentimento inexistente" ou "ação ou efeito de fingir", a "hipocrisia do discurso" (dicionário online de português).



Como a sociedade moderna ainda pode aceitar atitudes hipócritas e completamente dissociadas da realidade? E, pior, como indivíduos ainda se prezam a tal prática, sem considerar a chance de se cair no ridículo perante seus pares?





O corpo humano sempre foi tratado hipocritamente desde o gênesis bíblico: "Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si." e "Ele respondeu: Ouvi tua voz no jardim e, porque estava nu, tive medo, e me escondi." (Gênesis, cap.3, vers.7 e 10). O que espanta é que milênios de história não bastaram para desnudar (desculpem-me o trocadilho) a farsa hipócrita de negação da própria criação.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Afinal, não nascemos todos nus?



É inegável a beleza estética do corpo humano, seja homem ou mulher. As formas, curvilíneas e moldadas numa geometria física que enaltece a perfeição da criação deveriam ser exaltadas e encaradas como um prêmio justo diante da efemeridade da vida. Como os grandes artistas gregos clássicos, deveríamos cultivar o apreço pelo que somos, com todas as nuances que nos caracterizam, sem que isso possa chocar alguém nos tempos de hoje.





A falácia hipócrita do museu revela, de outro modo, um desrespeito para com a mulher, ao condenar a vagina como sendo algo "nojento" (citação do próprio museu). O mesmo se esquece de que é, através da vagina, que todo e qualquer ser humano vem ao mundo, num ato altruístico da parideira diante da renovação da vida. Renegar a vagina é renegar o meio pelo qual o indivíduo escorrega para a luz deste mundo.





Mesmo quando falamos de atitudes e gestos que induzem ao sedutor, ao campo da luxúria e desejo, não devemos jamais escondê-los de quem quer que seja, crianças ou "adultos indefesos". Trata-se de sentimentos genuinamente humanos, praticados dia após dia por todos e devem ser tratados da forma mais natural possível.



Numa obra de arte, é possível dar vazão aos sentimentos reprimidos e expor a alma do artista na tela, de modo que a sociedade possa aprender, vivenciar e compartilhar sua própria natureza, numa troca empírica com a obra, absorvendo as emoções que se propõe o criador da mesma.





Seja numa obra de arte, nas relações políticas e sociais, na convivência dentro do próprio lar, agir hipocritamente nos afasta do caráter libertário de sermos o que somos, de vivenciarmos abertamente nossos desejos e aspirações. Não se trata de promover a anarquia dos sentimentos, nem propor uma babel orgíaca de vida. Trata-se de trabalhar a nossa natureza intima do modo como ela é: natural.



Somente assim, poderemos compreender melhor o mundo em que vivemos e, mais ainda, compreender a fundo quem realmente somos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo