A polícia portuguesa prendeu o ex-primeiro-ministro socialista, José Sócrates, e outras três pessoas em uma investigação de suspeita de fraude fiscal, corrupção e lavagem de dinheiro, avançou o Gabinete do Procurador-Geral no sábado. A detenção, a primeira envolvendo um ex-primeiro-ministro de Portugal, segue as detenções de outras pessoas de destaque nos últimos meses em inquéritos separados enquanto os promotores intensificam a luta contra a corrupção num país notório por seu sistema de justiça lenta. Foi dito num comunicado que Sócrates, de 57 anos, detido na noite de sexta-feira, será levado perante um juiz penal para interrogatório no sábado sobre uma investigação às operações bancárias suspeitas e transferências de dinheiro.

A Agência Lusa, agência de notícias oficial de Portugal, disse que a polícia prendeu Sócrates no aeroporto de Lisboa quando ele chegou do exterior. De acordo com um oficial da polícia, ele passou a noite em uma delegacia.

Sócrates renunciou ao cargo de primeiro-ministro no meio de seu segundo mandato de quatro anos, em 2011, quando uma crise da dívida o forçou a pedir um resgate internacional, que impôs dolorosa austeridade em Portugal. Não foi possível até agora contatar os representantes do partido por telefone para comentar sobre a detenção. A eleições antecipadas em 2011 levaram ao poder a atual coligação de governo de centro-direita, que introduziu várias medidas de austeridade impopulares, como aumento de impostos e cortes nos salários e pensões.

Depois de deixar o cargo, Sócrates partiu para Paris, onde frequentou um curso universitário.

Os melhores vídeos do dia

Retornou em 2013 para se tornar um comentador regular na RTP, canal estatal. Durante seu governo, Sócrates veio a sofrer de várias investigações, incluindo acusações de mau uso de sua posição como ministro do Meio Ambiente em 2002, para permitir a construção de um shopping center, Freeport. Ele negou irregularidades e não enfrentou nenhuma acusação formal.

Promotores detiveram e estão investigando várias pessoas de destaque em casos de corrupção e de fraude separados. Na semana passada, o chefe do serviço de imigração de Portugal, Manuel Palos, foi preso juntamente com vários outros funcionários sobre suspeitas de corrupção relacionadas com a emissão dos chamados "vistos de ouro" para os investidores estrangeiros ricos. O inquérito também forçou o ministro do Interior Miguel Macedo a demitir-se.

Em Julho, Ricardo Salgado, chefe da família de banqueiros Espírito Santo e ex-chefe do Banco Espírito Santo, foi nomeado como suspeito numa investigação de longa duração em lavagem de dinheiro e evasão fiscal. Sua gestão do banco, que teve que ser resgatado pelo Estado, é o alvo de um outro inquérito.