Você lembra quando foi a última vez que precisou usar um orelhão, ou até mesmo enfrentou uma fila para poder usá-lo? Acho um pouco difícil, pois isso já faz certo tempo que fazia parte da rotina da maioria dos brasileiros.

A Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel - revela que há 763 mil orelhões instalados em todo o Brasil. No entanto, o Governo já pensa na possibilidade de baixar esse número para trezentos mil.

E a razão para o estudo fazer parte da pauta - você já pode imaginar - é que os úteis e prestativos orelhões do presente passado não têm resistido tanto assim à concorrência dos modernos, inovadores e práticos celulares dos últimos tempos. Atualmente, tem sido muito fácil adquirir um aparelho móvel de bolso e seus derivados. Com a demanda da oferta e procura, os preços estão bem atrativos, facilitando dessa maneira a sua aquisição, deixando no esquecimento os orelhões que já não são nem mais percebidos nas ruas.

Outro fator preponderante para essa possível decisão seria o alto custo para a manutenção do serviço, que chega a ser três vezes maior que a receita arrecadada com os telefones.

De acordo com os dados informados pela gerente geral de universalização da Anatel, 81% dos telefones fazem até quatro chamadas por dia, mesmo sendo a tarifa do celular R$ 0,16 por minuto, contra R$0,04 do orelhão. A média diária de utilização de cada aparelho é de quatro minutos, totalizando cento e vinte minutos por mês, número semelhante encontrado quanto ao uso do aparelho móvel, de 128 minutos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

A diferença que podemos perceber não seria nos números, mas na praticidade que o celular oferece, pois quem imaginaria há alguns anos fazer uma ligação dentro do carro, metrô ou do ônibus?

Outra razão para o desuso também está no fato de que muitos orelhões não funcionam, pois na sua maioria são objetos de destruição de vândalos. Somando-se a isso, falta de manutenção e modernização do serviço.

Há estados com 61% dos aparelhos que não funcionam, como no caso de Santa Catarina e Paraná.

Mas como surgiram os primeiros orelhões?

Inicialmente e em caráter experimental, a implantação aconteceu no começo da década de 70, no centro de São Paulo, na Rua Sete de Abril, no prédio da antiga sede própria da Companhia Telefônica Brasileira - CTB, que posteriormente passou a ser chamada de Telesp.

Em seguida, dois anos mais tarde, foram instalados os primeiros telefones públicos nas calçadas das vias públicas do Rio de Janeiro e de São Paulo, quase que simultaneamente por ocasião da comemoração de aniversário das cidades. Seguindo esses estados, os orelhões chegaram no restante do país.

O que você acha dessa possível decisão do governo? Com que frequência você faz uso de um orelhão?

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo