Milhares de brasileiros foram as ruas pedir a saída da atual presidente do seu cargo de chefe do poder executivo. Há alguns dias a palavra "Impeachment" é a mais nova celebridade do momento.

Entretanto, os que querem a todo custo que o Congresso Nacional interfira no mandato de Dilma Rousseff, mencionam - entre outras razões - a questão mais emblemática de que foram enganados através de promessas políticas, certas promessas que não só não foram cumpridas, mas que ainda desfizeram direitos que já estavam conquistados, como o direito ao seguro desemprego ao atingir seis meses de carteira assinada, por exemplo.

O caso é que a sensação de "povo iludido" pela campanha e desgostoso com o governo é bem específico para outro mecanismo de retirada do poder que não é o impeachment.

Os Estados Unidos já previam que a situação poderia acontecer e possui um recursos próprio de democracia participativa chamado de Recall. No Recall o parlamentar tem seu mandato abreviado quando não há o cumprimento dos programas firmados na campanha eleitoral.

No Brasil o Senado Federal já recebeu pedido para adicionar o Recall por aqui também. A PEC (Proposta de Emenda a Constituição) 8/2015 conseguiu a quantidade de assinaturas necessárias dos parlamentares para ser colocada em votação. De acordo com o projeto, os políticos em períodos eleitorais deverão em campanha enviar os projetos e propostas à justiça eleitoral, que será responsável por publicar e divulgar a população.

Com o fim da campanha e o começo do mandato efetivo, os eleitores poderão cobrar aos representantes do povo que as promessas sejam colocadas em prática, podendo acompanhar as etapas do processo.

Os melhores vídeos do dia

Caso o político não cumpra com sua parte como prometido, o cidadão não precisaria mais apelar ao Congresso Nacional, ele mesmo pode ajuizar uma ação e pedir a revogação do mandato.

A vantagem do recall é que poderia ser aplicado a qualquer político, enquanto o impeachment apenas é possível de ser utilizado nos casos em que há crime de responsabilidade do presidente da república, ministro de estado, ministro do STF e procurador geral da república.

Há os que dizem que se estaria enfraquecendo a democracia agindo dessa maneira, que traria desestabilização política. No entanto, com um maior temor da população, talvez os representantes políticos pensassem duas vezes antes de fazerem promessas e antes de agir tendo em vista apenas preservar seu mandato.