A partir do dia 06 de outubro, os bancários, em todo país, poderão entrar em greve por tempo indeterminado. Isto por que a Federação dos Bancos ofereceu uma proposta de reajuste salarial, que, segundo os bancários, está bem abaixo do índice da inflação.

A decisão de rejeitar a proposta foi realizada nesta sexta-feira, dia 25, em uma reunião com o Comando Nacional dos Bancários e a orientação é a de rejeição da proposta nas demais reuniões da categoria, que serão realizadas em todo o país.

A proposta defendida pela categoria exige um aumento de 16% de reajuste sobre o salário, sendo 5,6% referente ao reajuste do ganho salarial e 9,88% referente à compensação das perdas com a inflação.

Os bancos oferecem um reajuste de 5,5% e um abono salarial de R$ 2.500,00, que seria igualmente distribuído com a categoria, porém, não seria incorporada ao salário. A proposta ainda inclui a participação dos bancários na distribuição dos lucros, algo que ficaria em torno de 5 a 15%.

Segundo a FENABAN (Federação Nacional dos Bancos), a proposta oferecida seria para cobrir as perdas com a inflação do período passado. Segundo a federação, o reajuste de 5,5% está condizente com a projeção dos índices inflacionários para os doze meses a frente. Qualquer valor superior a isto, poderia comprometer uma queda da inflação, informou a mesma, por meio de nota.

De acordo com Juvania Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários do Estado de São Paulo, a proposta oferecida pela associação dos bancos constitui uma das piores já oferecidas, se considerarmos os índices propostos num comparativo desde o ano de 2004.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

Num levantamento feito entre o período de 2004 e 2014, os bancários conseguiram um reajuste salarial em torno de 20,07%. Em relação ao ano de 2014, o reajuste ficou em torno de 2,02% acima da inflação do mesmo período.

O movimento grevista não concorda com a postura dos bancos, que, nos últimos seis meses, obtiveram um lucro líquido de 36,3 bilhões de reais. Os juros cobrados pelos mesmos, no cartão de crédito, chegam a 400%, o que traz um prejuízo grande para os clientes do sistema bancário brasileiro.

Por estes motivos, será feita uma assembleia com toda a categoria, dia 1 de outubro. De acordo com Juvania, a orientação será para que a proposta atual seja rejeitada pela classe bancária. A dirigente espera que, até o dia marcado para a assembleia, os dirigentes dos bancos possam apresentar uma outra proposta mais próxima com as reivindicações da classe bancária.

A categoria dos bancários somam cerca de 500 mil em todo o país. Somente em São Paulo e na região de Osasco são 142 mil funcionários.

Veja as principais propostas reivindicadas pelos bancários:

1 - Aumento salarial de 16,6%, sendo 5,6% de aumento real e 9,88% para cobrir perdas com a inflação;

2- Participação nos lucros dos bancos, tendo como base o valor referente a três salários fixos, totalizando R$ 7.246,82;

3 - Piso salarial de R$ 3.299,66;

4 - Vale alimentação, refeição, décimo, cesta básica e auxílio creche no valor de R$ 788,00 (Salário mínimo vigente);

5 - Décimo quarto salário;

6 - Aumento das contratações, extinção de demissões e não contratação de terceirizados;

7- Maior segurança para se trabalhar nas agências.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo