Anúncio
Anúncio

Na tentativa de criar um movimento, a oposição contará com a presença de vários deputados a aderirem a causa de um pró-impeachment contra a presidente Dilma. A ideia com o apoio da sociedade é criar gráficos, movimentos, sites, mensagens em rede sociais que defendam a saída da presidente Dilma Roussef da presidência da República, os deputados dos partidos envolvidos são PSDB, DEM, PPS, PSC e o PMDB.

Os partidos têm como ideia principal montar uma frente parlamentar, mas como isso exige assinatura, muitos exigiram um movimento para preservar a própria imagem e identidade de cada um. Conforme descrito no jornal o Estado de São Paulo a oposição lançará movimento pró-impeachment de Dilma na Câmara dos Deputados já na próxima semana.

Anúncio

Segundo a informação de uma fonte, será criado um material gráfico em um site de apoio ao movimento, para que este seja o meio de comunicação entre os integrantes.

Os principais motivos do Impeachment foram os erros cometidos por Dilma, chamados de crime de responsabilidade fiscal, as chamadas "pedaladas fiscais", e ainda procuram por eventuais crimes eleitorais, já solicitada investigação para a Procuradoria Geral de República pelo ministro Gilmar Mendes (Vice presidente do T.S.E).

Para que Dilma seja afastada é necessário pelo menos de 342 votos a favor de seu impeachment dos 513 deputados, o julgamento ocorrerá no próprio Senado. Caso  ocorra o impeachment, Michel Temer (PMDB) assumirá a presidência, e ela também ficará impedida por oito anos de se candidatar a qualquer cargo.

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

Michel Temer não acredita que ela consiga escapar deste impeachment por ter tanta impopularidade atualmente, porém ele deixou bem claro que ela não vai renunciar, porque ela é guerreira e não vai desistir assim tão fácil, disse também "se a chapa for cassada retornarei a casa feliz, ela vai pra casa, não sei se feliz.", afirmou.

Vale lembrar que o até agora o Brasil teve apenas um único presidente a sofrer um impeachment, foi, Fernando Collor de Mello, ocorreu  no dia 29 de setembro de 1992, ele teve 441 votos a favor e 38 contras, e ficou inelegível por 8 anos.