Blasting News Brasil: Vocês colocam a "liberdade individual" como uma das grandes bandeiras do projeto do Novo, mas, sob o viés econômico, isso não ampliaria ainda mais as desigualdades sociais já existentes no país?

Maria Beatriz Figueiredo: Muito pelo contrário. No Brasil atual, é justamente o pobre que paga a maior parcela de sua renda em impostos. A população brasileira - de todos os níveis de renda -, ademais, tem uma forte vocação empreendedora, que o governo faz questão de sufocar não só com impostos pesados e complexos, mas também com burocracia e regulamentações excessivas.

Por fim, a economia brasileira inteira sofre por ser fechada e engessado, impedindo a criação de riqueza e a geração de mais empregos. Enquanto a maior parte da população é explorada e desrespeitada pelo Estado, políticos e funcionários públicos - oriundos do topo de nossa pirâmide social - acumulam cada vez mais privilégios e poder. Grandes empresários recebem empréstimos a juros subsidiados que são pagos pelo imposto dos mais pobres.

É um fato: no Brasil atual, muitas das intervenções do Estado têm efeito regressivo na distribuição de renda. Acreditamos em agir diretamente na origem da desigualdade e da pobreza brasileiras: o Estado deve garantir acesso a saúde e educação básica de qualidade para toda a população. Deve criar uma rede de proteção para quem precisa, e não uma teia de dependência na qual as pessoas entram e nunca mais saem.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

Dando as ferramentas e criando oportunidades, ajuda todos a caminharem com as próprias pernas.

BN: Já há alguma projeção para o lançamento de candidaturas em 2016?

MBF: Sim, nós lançaremos candidaturas para os cargos de prefeito e vereador em algumas capitais do país. Mas só serão divulgadas no ano que vem.

BN: Para finalizar, o que o eleitor, cansado da velha Política brasileira, pode esperar do Novo?

MBF: Em primeiro lugar, um partido que o trate com respeito. Estamos aqui para discutir soluções para nossos problemas sociais - que é o que a política deveria fazer -, e não para participar do velha briga de poder da política brasileira tradicional. Em segundo, um partido com ideias novas sobre o papel do Estado e do cidadão. Queremos que o Estado foque naquilo em que ele é essencial - saúde, educação, segurança, etc.

- e pare de atrapalhar a vida das pessoas que querem, com seu trabalho e dedicação, construir um Brasil melhor. Por isso falamos no valor do indivíduo: a velha ideia do Estado como salvador de uma população passiva, impotente, já caducou; ninguém mais acredita nisso. Todos os cidadãos têm um papel ativo a cumprir no desenvolvimento do País. O Novovem para ser uma ferramenta dessa transformação.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo