Hoje, 15 de outubro de 2015, a oposição ao governo da Presidente Dilma Rousseff se uniu novamente para protocolar o novo pedido de Impeachment no cartório em São Paulo. Hélio Bicudo, ex-deputado e fundador do PT, Miguel Reale Júnior, ex-Ministro da Justiça, Carlos Sampaio, deputado federal (PSDB-SP), e os movimentos 'Vem Pra Rua', 'Movimento Brasil Livre' e 'Revoltados Online' estiveram juntos na manhã de hoje. 

 A mudança no pedido de impeachment, além de uma forma de bater contra a decisão do Supremo Tribunal Federal, vem com um novo relatório alegando que as "pedaladas" fiscais continuam no ano de 2015 no Governo da Presidente Dilma.

O pedido deve ser protocolado amanhã em Brasilia. 

 A iniciativa chamou a atenção da imprensa que foi cobrir o ato. Porém, acabou sendo mau vista perante as pessoas que lá estavam por se focarem no Presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Enquanto a oposição tentava protocolar o pedido, a imprensa só queria saber o que eles pensavam sobre o Deputado, e se era moral ele aceitar um pedido de impeachment enquanto o mesmo pode sofrer deste processo. 

A Oposição declarou que quem tem que acolher o pedido de impeachment é o Presidente da Câmara, o cargo, não a pessoa. Então, o deputado Eduardo Cunha deve de qualquer forma acolher, pois esse é seu trabalho. E que este pedido de impeachment não é de quem esta protocolando, mas sim do povo brasileiro.

Houve ainda provocações de certos integrantes de emissoras para cima do 'Movimento Brasil Livre', mas nenhuma confusão foi causada.

Os melhores vídeos do dia

O ato levou cerca de uma hora. Depois de protocolado o impeachment, teve gritos de "Fora Dilma, Fora PT" e ainda uma foto histórica do fundador do PT, Hélio Bicudo, segurando o boneco conhecido como "Pixuleco", que é a imagem do ex-Presidente Lula em trajes de prisão. 

Amanhã se inicia grandes movimentações em Brasilia, com a protocolação desse novo pedido. E na terça, 20, o MBL e o 'Revoltados Online' estarão na capital federal para responder as acusações de crime cibernético feitas pelo deputado federal Jean Willys (PSOL-RJ).