O mais novo partido político brasileiro se chama Partido da Mulher Brasileira. Aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral nesta quarta-feira (30), a nova sigla está apta para disputar cargos eletivos nas próximas eleições, que ocorrem em 2016.

Antes de obter a aprovação no TSE, o PMB conseguiu no Ministério Público um parecer referendando a criação do partido. Na ata de fundação, o partido nasceu oficialmente em 04 de março de 2013, à Rua do Rosário, no município do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

Após apresentar documentação e mais de 501 mil assinaturas, o partido conseguir seu registro partidário, em Brasília.

A ideologia defendida pelo partido, em seu site oficial, é de "mulheres progressistas", "ativistas de movimentos sociais e populares" e que, junto com homens, "manifestaram sempre a sua solidariedade com as mulheres privadas de liberdades políticas, vítimas de opressão, da exclusão e das terríveis condições de vida". Um partido que ao contrário dos demais tem prioridade de priorizar os interesses da mulher não se limitando a mera participação.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Corinthians

Segundo publicado pelo site G1, ao final da aprovação no TSE, a fundadora e presidente da legenda, Suêd Haidar Nogueira disse que a ideia do PMB surgiu da necessidade de maior participação e respeito das mulheres em instâncias partidárias.

"Agora é um novo caminho que vamos trilhar, dentro do Partido da Mulher Brasileira, para que possamos ter os nossos direitos garantidos, afirmados, dentro de tudo aquilo que sempre buscamos", disse a fundadora, que é comerciante.

Publicidade

NOVOS PARTIDOS - A criação de novos partidos ainda não teve seu ciclo encerrado. Enquanto novas siglas estão obtendo seu registro partidário, outras aguardam o dia em que terão espaço e voz nas eleições futuras.

Nesse ponto aguardam a avaliação do pedido de registro o Partido Nacional Corinthiano (que teve seu registro negado temporariamente por não cumprir as exigências), o Partido Militar Brasileiro (que conta com o apoio de ilustres como o Astronauta Brasileiro Marcos Pontes) e o Partido Liberal (que está sendo acusada por muitos políticos de um novo partido que será usado pelos aliados para esvaziar a influência do PMDB no governo).

NOVA LEI VAI FREAR CRIAÇÃO DE PARTIDOS

A Lei Federal 13.107, sancionada pela Presidente Dilma em março, modificou as condições para a criação de novos partidos no Brasil. Uma das principais mudanças é que as assinaturas de apoiadores sejam de pessoas que não são filiadas a nenhum outro partido, regra que dificulta a coleta de assinaturas de qualquer pessoa.

Outra exigência importante é que os partidos novos não podem se fundir um ao outro sem que se tenha cinco anos de existência.

Publicidade

O objetivo é evitar que sejam criadas partidos de aluguel, aquelas siglas que são usadas somente para composição de coligações para concorrer nas eleições e também inibir as tentativas de burlar a questão de fidelidade partidária.

Após a aprovação da lei, todos que quiserem criar uma nova sigla, terão de seguir as regras estabelecidas. É o caso do Raiz Movimento Cidadanista, criado por Célio Turino de Miranda, ex-Secretário Nacional de Cultura e antigo coordenador da Rede Sustentabilidade, partido de Marina Silva.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo