Mais uma acusação grave contra Eduardo Cunha:a Procuradoria Geral da República apreendeu uma anotação que comprova um pagamento de R$ 45 milhões feito pelo banco BTG Pactual ao deputado do PMDB-RJ.

Cunha é presidente da Câmara e teria recebido o referido valor, R$ 45 milhões, para providenciar uma emenda provisória visando os interesses do banco que pertence a André Esteves.

O bilhete comprometedor estava na casa de Diogo Ferreira e foi encontrado durante vistoria feita pela Polícia Federal.

Diogo é chefe de gabinete de Delcídio do Amaral e também foi preso na quarta-feira (25) durante investigação feita pela "Operação Lava Jato".

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, aceitou neste domingo (29) o pedido da Procuradoria Geral da República de manter André Esteves preso por tempo indeterminado, juntamente com o assessor.

A Polícia Federal está investigando obilhete e também vários outros papéis que constituem praticamente um roteiro que determinava a ação de Delcídio, na tentativa de libertar Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras que foi preso também pela operação Lava Jato.

Com medo de que Cerveró contasse toda a verdade, Delcídio ofereceu ajuda para ele deixar o país.

A Procuradoria Geral da República informou que o bilhete traz no verso um escrito fazendo referência ao BTG, porém não informou se esta seria uma informação manuscrita ou não.

O texto informa que o BTG Pactual, que é dono da massa falida referente ao banco Bamerindus, teria pago a Eduardo Cunha o valor de R$ 45 milhões para que ele aprovasse uma emenda à medida provisória de número 608.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Corrupção

O BTG tinha interesse na utilização dos créditos fiscais desta massa falida.

O bilhete ainda revela que na operação também estão envolvidos o executivo do BTG, Carlos Fonseca e uma outra pessoa, identificada por Milton Lira.

E mais, o texto ainda diz que os R$ 45 milhões iriam não só para Eduardo Cunha, mas também para outros parlamentares do PMDB que ajudariam na aprovação da emenda. O Milton Lira teria feito um jantar para comemorar que tudo havia dado certo.

Esta medida provisória foi aprovada em 2013 e um de seus artigos beneficiou o BTG Pactual, assim como o bilhete indica.

Eduardo Cunha considera este bilhete um "absurdo" e diz que "parece armação", além de criticar a forma como a PGR vem conduzindo as investigações.

Em sua conta no Twitter, Cunha também comentou essa nova acusação contra ele.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo