Em um Estado Laico, foi aprovado para apreciação do plenário da Câmara de Deputados aPEC 99/2011, que dá poderesàIgreja de interferir nas decisões do Supremo Tribunal Federal, em sessão especial, realizado no último dia 04/11.

A Proposta de Emenda à Constituição idealizada pelo deputado João Campos do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB-GO), visa dar direitos de interferências nas ações direitas e demais recursos perante o Supremo Tribunal Federal (STF).

Atualmente, apenas os Três Poderes podem questionar as decisões do STF, criando-se um debate baseado em leis federais constitucionais. São eles:

- o presidente da República; - a Mesa do Senado Federal; - a Mesa da Câmara dos Deputados; - a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; - governador de Estado ou do Distrito Federal; - o procurador-geral da República; - o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil; - partido político com representação no Congresso Nacional; e - confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.

A proposta que é de 2011 chegou a ser analisada em 2013, porém foi arquivada e em fevereiro deste ano o deputado João Campos solicitou o desarquivamento da PEC à Mesa Diretora da Câmara de Deputados (MESA), que seguiu para o Plenário sendo solicitada uma Comissão Especial para articular a analise da emenda. Durante a sessão do dia 04/11/2015, discutiram sobre a matéria o autor da proposta e o deputado Pastor Eurico (PSB-PE), tendo o parecer aprovado neste mesmo dia.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Um dos argumentos apontado pelo relator da PEC, o dep. Bonifácio de Andradadiz que "o STF demonstra preconceito com os argumentos de ordem religiosas dando preferência apenas à argumentos científicos", etambém diz que seria "uma ampliação do direito da cidadania e acesso ao judiciário".

Vale lembrar que o deputado João Campos é o autor da PEC 234, conhecida popularmente como “Cura Gay”, que tinha como objetivo “dar o direito” dos psicólogos tratarem abertamente os homossexuais.

Atualmente, a Constituição proíbe profissionais da área de colaborar com eventos e serviços que ofereçam tratamento e cura de homossexualidade, além de vedar manifestação que reforcem preconceitos sociais em relação aos homossexuais.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo