Conforme o portal G1, a nova fase da Operação Lava Jato deixa Brasília apreensiva com os reflexos e respingos no Governo Dilma, no momento que o maior aliado do Planalto, o PMDB, é alvo de investigação da Polícia Federal (PF).

Apesar de todos os esforços do governo, no sentido de amenizar a crise no país, e reduzir a dissidência do partido aliado, mais um fato relevante contribui para o turbilhão que vive a Política brasileira.

A operação de busca e apreensão da PF atingiu o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, o terceiro na linha sucessória de comando do país, e dois ministros do governo Dilma.

Publicidade
Publicidade

Henrique Eduardo Alves (RN), do Turismo e Celso Pansera (RJ), da Ciência e Tecnologia. Além do ex-ministro Edson Lobão. Todos do PMDB.

A presidente Dilma Rousseff, que até o momento, tinha no Senado, na figura do presidente Renan Calheiros, um ambiente favorável para barrar o impeachment, teme maior instabilidade naquela Casa. O governo vê com preocupação que pessoas próximas ao presidente do Senado, como o deputado Aníbal Gomes,PMDB-CE e o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado estejam sendo investigadas, além da sede do PMDB, em Alagoas.

Publicidade

A ação da Polícia Federal deflagrada hoje,15, se constitui de 53 mandados de busca e apreensão em processos que investigam, além dos políticos do PMDB já citados, Renan Calheiros, do PMDB-AL, Nelson Bornier, do PMDB-RJ, e prefeito de Nova Iguaçu, também aliado de Cunha e o deputado Alexandre Santos, do PMDB-RJ.

O procurador da República, Rodrigo Janot, também pediu busca e apreensão na casa de Renan, assim como foi feito na casa de Cunha, porém, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, negou.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Governo

O fato é que o Planalto admite que o ambiente político está instável e teme que a situação de Dilma possa piorar.

Quanto ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha concedeu entrevista à imprensa, nesta terça, 15, à tarde, e partiu para o ataque. Desvalorizou a operação da PF, reafirmando ser alvo de perseguição política por ser um desafeto do governo e pediu que seu partido, o PMDB, saia, definitivamente, do governo.

Cunha afirma que o governo tenta desviar o foco do processo do impeachment de Dilma. 

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo