Eduardo Cunha, presidente da Câmara, decidiu acolher o pedido de impeachment contra a Dilma nesta quarta-feira (02). As expectativas eram que a decisão de Cunha dependesse do apoio do PT ao deputado, mas Cunha do PMDB anunciou que o pedido elaborado pelo juiz Hélio Bicudo será continuado por ele.Saiba mais:

Hélio Bicudo já havia feito um pedido para o impeachment da Dilma, mas ele foi rejeitado anteriormente por Cunha, que alegou que o documento não tinha bases jurídicas para ser continuado.

O jurista se reuniu com mais advogados para escrever novamente, e agora, conseguiu a aprovação.

Cunha pronunciou que o pedido, que já é de conhecimento público e muito comentado,fez com que a sua decisão fosse de acolher a denúncia.

O presidente da Câmara dos Deputados também anunciou que o parecer da assessoria legislativa será publicado também nesta quarta (02) em um documento com 22 páginas.

Cunha comenta que o embasamento para proferir a sua decisão foi unicamente técnico.

Ele afirmou que o momento vivido pelo Brasil é de crise e que essa poderá ser a forma que o país conseguirá enfrentar a crise. Além disso, para ele, a decisão passou do limite de ser aceita e que ele se isentará o máximo possível.

A decisão foi tomada após a bancada do PT votar para que o processo de cassação de Cunha prosseguisse. O presidente da Câmara recebeu a acusação de mentir durante a CPI da Petrobrás.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Política

Pedido de impeachment aceito: o que acontece agora?

A decisão de julgar uma denúncia como essa é do presidente da Câmara, que analisa se ela é procedente ou não. Caso a denúncia seja aceita, como foi, uma comissão é aberta para analisar o documento.

Caso o impeachment realmente seja aberto, é necessário que os votos de dois terços dos deputados da Câmara sejam a favor. Cabe ao Senado, então, analisar se o mandato sofrerá impeachment.

O processo que levou o ex-presidente Fernando Collor de Mello ao impeachment durou aproximadamente sete meses. Eleacabou renunciando no final de 1992.

Continue nos acompanhando para saber mais notícias atualizadas sobre o processo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo