Escolha de Sofia. O título de um famoso filme sobre a segunda guerra mundial,foi citado por um deputadopara definir a situação em que se encontravam os parlamentares, nesta quarta, 02, no momento de decidir pela aprovação ou não,do projeto de lei que permite a redução da meta fiscal para 2015, autorizando o governo federal a registrar o déficit de R$ 119,9 bilhões.

O filme lembrado não poderia ser mais oportuno para definir a situação atual do Brasil.

Concordar com a alteração da Lei de Responsabilidade Fiscal é abrir um precedente não só para governos federal em anos próximos, como também para governosestaduais e municipais. É atestar que o descontrole das contas públicas pode ser aceito em todos os níveis. É concordar com a irresponsabilidade do governo federal que gastou mais do que arrecadou, principalmente para alimentar a campanha da reeleição de Dilma Rousseff.

É aceitar que a promessa do Planalto de fazer uma economia de mais de R$ 55bilhões, na verdade se transformou em um déficit de quase R$ 120 bilhões.

Por outro lado, não aprovar a mudança da lei teria consequências catastróficas para o país. Seria ser conivente com a estagnaçãodo sistema, interromper serviços públicos prioritários e prejudicar ainda mais a população brasileira.

Então, após discussão e discursos dos dois lados, governistas e oposicionistas, por 314 votos a favor e 99 contra, a Câmara dos Deputados aprovou a mudança da meta fiscal, e encaminhou para os senadores a matéria para ser votada.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Política

O senadores também aprovaram a alteração da lei.

Enquanto isso,segundo a Folha de S.Paulo, em salão próximo àquele em que o destino das contas públicas era traçado, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, anunciava para a imprensa que o destino da presidente da República, naquele momento, seria discutido. Ele estava aceitando o pedido de impeachment de Dilma Rousseff, protocolado por Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT, Miguel Reale Jr.

e Janaína Pascal.

A deflagração do pedido do Impeachment foi articulado pelos oposicionistas, junto a Cunha, durante o dia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo