No último domingo, 24, a presidente Dilma Rousseff concedeu uma entrevista ao jornal ‘El Comercio’ do Equador onde afirmou que o Brasil apenas está passando por “dificuldades temporárias” e por uma “transição econômica, mas que não classifica o país como paralisado.

#Dilma Rousseff irá na terça-feira, 26, para Quito que a capital do Equador, lá ela irá participar da cúpula da Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos. A entrevista se deu de forma escrita e a presidente também falou sobre diversos temas envolvendo os demais países da América do Sul, como a situação econômica e política, discorreu ainda sobre as Olimpíadas do Rio de Janeiro como também não teve como fugir do tema das investigações de #Corrupção na Petrobras.

'MOMENTOS DIFÍCEIS' NA VENEZUELA

Quando foi questionada sobre a situação política na região, Dilma Rousseff afirma que vê com total naturalidade a alternância de poder, e minimizou sobre a possibilidade de surgir alguns impactos nas relações do Brasil com seus vizinhos Venezuela e Argentina, fazendo referência a vitória histórica da oposição ao obter maioria no parlamento Venezuelano e também da vitória de Mauricio Macri para presidência Argentina.

Dilma afirmou que: “Todas relações diplomáticas do Brasil com os demais países sul-americanos é, antes de mais nada, uma relação entre Nações, que todas são bem fundamentadas em projetos concretos e de interesses compartilhados. ”

Quando questionada sobre a situação política e econômica da Venezuela ela foi enfática em relação ao que o Brasil espera: “Esperamos que o governo e oposição mantenham constante dialogo em busca de superar esses momentos difíceis com boa convivência”.

Os melhores vídeos do dia

Quando os jornalistas tocaram em um ponto crítico que sua administração vem sofrendo, a Operação Lava Jato que a Polícia Federal vem com suas investigações de casos de corrupção dentro da estatal, a Dilma Rousseff falou com um tom mais ponderado que seu governo age de maneira “implacável” e irá punir todo tipo de corrupção. E destacou que a independência da Polícia Federal para investigar qualquer tipo de corrupção, ainda complementou que a Justiça brasileira deve punir todos corruptos e corruptores com base na Constituição e nas legislações nacional.