Confira abaixo a primeira parte da íntegra da entrevista com Leandro Piquet Carneiro, professor do Instituto de Relações Internacionais da USP e membro do Centro de Liderança Pública (CLP).

Blasting News Brasil: Como você vê o cenário político brasileiro nesse início de 2016 e quais os principais desafios do #Governo?

Leandro Piquet Carneiro: Não vejo muitas novidades no cenário. O governo passará o ano tendo que fazer a chamada "gestão de #Crise", e não vejo espaço para muito mais do que isso. Assuntos importantes como educação, segurança pública e saúde ficarão fora do debate, seja no Executivo, seja no Legislativo. Os erros foram muitos e a conta chegou.  

BN: Recentemente, Mauricio Macri interrompeu a hegemonia Kirchnerista na Argentina.

Nicolas Maduro teve derrotas importantes no parlamento da Venezuela e #Dilma Rousseff vive com a sombra do impeachment. A esquerda fracassou na América Latina?

LPC: A esquerda latino-americana é muito heterogênea e não se pode falar de fracasso de uma forma geral. Michelle Bachelet, no Chile, Tabaré Vasquez no Uruguai e Guilhermo Solís, na Costa Rica, ganharam recentemente eleições por partidos de esquerda. É verdade que são muito mais moderados do que Maduro e Kirchner. Não defendem grandes intervenções do Estado na economia, acreditam na abertura para o comércio mundial e não fazem campanhas contra a liberdade de imprensa. São lideranças que respeitam as regras e não apostam na polarização política. Mesmo Ollanta Humalla e Evo Morales que iniciaram seus mandatos com discursos mais radicais, moderaram suas ações.

Os melhores vídeos do dia

Morales foi chamado pelo Financial Times de “o socialista mais exitoso do mundo” e, de fato, a economia boliviana é agora três vezes maior do que era quando ele chegou ao poder em 2005. Humala por sua vez garantiu a participação do Peru na Trans-Pacific Partnership (TPP) liderada pelos EUA. Todos esses cinco países tiveram crescimento do PIB, baixa inflação, e baixo endividamento público em 2015 segundo o FMI.

São governos de esquerda que estão dando certo do ponto de vista econômico e que podem ganhar ainda muitas eleições, ou mesmo que não ganhem, provavelmente terão enorme peso eleitoral nos seus países. O que acontece no Brasil, na Venezuela e na Argentina é diferente. No Brasil, há o fator negativo da liderança da Presidente Dilma e a corrupção do PT, que no mais é um partido moderado e que inspirou a esquerda da América Latina a seguir nessa direção. A crise do kirchenismo na Argentina, não se reflete diretamente na crise do peronismo que continua forte e fará o possível para atrapalhar o mandato de Macri.

O caso mais extremo é o colapso do chavismo na Venezuela que ocasionou perdas econômicas e sociais significativas. Avalio que será preciso mais de uma década para minimamente recuperar a capacidade das instituições públicas que estão destruídas pela partidarização e pela ideologia bolivariana. O problema é que mesmo nesses países onde a esquerda foi marcadamente incompetente, não acho que podemos falar de um fracasso irreversível. As pesquisas de opinião pública mostram que parte importante da população realmente gosta das propostas de esquerda e vê o estado como mais eficiente e justo do que o mercado. Estamos falando de eleitores que não se importam muito se as estradas estão ruins, desde que não tenham que pagar pedágio. Quanto mais benefícios e quanto mais gratuidade nos serviços públicos, melhor. As bandeiras da eficiência e da boa gestão pública ainda não conquistaram o coração da maioria dos latino-americanos e isso contribui para que a esquerda se apresente como uma alternativa viável, mesmo onde governou mal.