A cada início de ano legislativo na Câmara dos Deputados, novos – ou velhos – líderes são escolhidos para encabeçar as tomadas de decisões de seus partidos durante o ano que se segue. Em 2016, particularmente, essa é uma posição chave no cenário político, pois são esses líderes que irão indicar os nomes dos deputados que farão parte da polêmica Comissão do Impeachment.

O caso que mais está agitando os bastidores dos partidos é o do PMDB. Depois de ter sido organizada uma manobra por Eduardo Cunha (RJ) para retirar Leonardo Picciani (RJ) da liderança da bancada do partido e alçar a essa posição Leonardo Quintão (MG), o presidente levou um duro golpe ao ter sua jogada anulada poucos dias depois, quando Picciani conseguiu todas as assinaturas de apoio necessárias e voltou ao posto.

Para 2016, o plano de Eduardo Cunha é indicar um terceiro nome para a disputa, pretendendo levar a votação para segundo turno. Picciani e Quintão já são candidatos, o nome que Cunha deve apontar é o de Hugo Motta (PB), deputado que já presidiu a CPI da Petrobras e é um dos grandes aliados do presidente da Câmara. Picciani é contra o impeachment, o candidato de Cunha será a favor, já Quintão tende mais a ser favorável a saída da presidente Dilma, porém, sua posição ainda não é clara, pois sua base de apoio ainda não é tão firme, dependerá muito do nome indicado por Eduardo Cunha.

PSDB

A bancada dos tucanos foi liderada pelo deputado Carlos Sampaio (SP) no ano legislativo que se passou. Em 2016, o líder será o deputado Antonio Imbassahy (BA). Sampaio foi muito criticado pela sua amizade com Eduardo Cunha, o que dificultou na hora do rompimento do PSDB com o presidente da Câmara.

Os melhores vídeos do dia

Parte da bancada queria se afastar de Cunha já há algum tempo, porém, Sampaio só se manifestou após falas constantes de Aécio Neves contra o modos operante de Cunha.

Líderes mantidos

O PPS mantêm o deputado Rubens Bueno (PR) na liderança de sua bancada desde 2011 e não irá mudar para 2016. O PSD reconduziu Rogério Rosso (DF) ao cargo após breve hiato.

DEM e PT

Os dois partidos só irão eleger seus líderes no início de fevereiro. Sibá Machado (PT-AC) e Mendonça Filho (DEM-PE) lideraram as bancadas em 2015, e ainda não é certo se serão mantidos ou trocados. Nesses casos, pouco importa os nomes, as funções e os posicionamentos já estão bem claros, independente do ocupante do cargo.

Lideranças rotativas

Psol e PCdoB decidiram por adotar lideranças rotativas, então é certo que novos nomes irão surgir para substituir Chico Alencar (Psol-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Blocos partidários

São dois os blocos: PP, PTB, PSC e PHS, e o segundo formado por PR, PSD e Pros. Os líderes eram, respectivamente, Jovair Arantes (PTB-GO) e Maurício Lessa (PR-AL). Apenas no começo de fevereiro que os nomes serão indicados.