Foi finalizada a avaliação que denuncia o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha(PMDB-RJ), pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, e a ocorrência foi disponibilizada para julgamento pelo plenário da corte.

Se espera que a defesa de Eduardo Cunha receba uma intimação na próxima semana, para depois o presidente do Supremo Tribunal Federal(STF), Ricardo Lewandowski, possa marcar uma data para a sessão, que por enquanto não se tem data definida.

Se reunirão 11 ministros da Corte para analisar as acusações, para em seguida resolverem se abrem processo ou não contra o deputado Eduardo Cunha. Caso as acusações sejam aceitas, Eduardo Cunha, passa a posição de réu; caso não seja aceitas as denúncias o caso será arquivado.

O Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicitou isso, em estado de urgência, no final de janeiro, ao STF(Supremo Tribunal Federal) que analisasse as acusações, nas quais o deputado é acusado de Corrupção e lavagem de dinheiro, entregue por Julio Camargo na condição de delação premiada, que o mesmo teria recebido pelo menos US$5 milhões para facilitar contratos de navios-sonda para a Petrobras.

Os lobistas Julio Camargo e Fernando Soares, o Baiano, foram quem denunciou o deputado Eduardo cunha, em benefício de delação premiada, e essas acusações foram apresentadas em agosto de 2015, nais quais hoje estão sendo baseadas as denúncias.

Nessa época Eduardo Cunha chegou a acusar a Procuradoria Geral da República de persegui-lo e que tudo não passava de uma conspiração da mesma junto com o governo federal para denegrir sua imagem, porque ele conseguiu que a presidente tenha tido várias derrotas no congresso, e chegou até a romper com a presidente Dilma Rousseff.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Corrupção Política

O parlamentar contesta toda incriminação contra sua pessoa e fala que jamais recebeu benefícios incorretos e que as acusações são baseadas em testemunhos desproporcionais, por parte de Julio Camargo, ex-executivo da Toyo Setal. Ficaremos na expectativa e acompanhando o caso para maiores informações.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo