Estrangeiros dizem que o Brasil é um país de características únicas em todos os sentidos e para fazer jus a esse posto, a presidente do país, Dilma Rousseff, presenteou os brasileiros com uma palavra inovadora que não consta nos dicionários: ‘mosquita’.

Publicidade
Publicidade

A presidente cumpria sua agenda de compromissos em sua campanha sobre a conscientização da luta contra o Aedes aegypti e durante seu discurso citou a ‘mosquita’ da dengue três vezes. A expressão foi em referência ao fato de apenas a fêmea do Aedes aegypti poder transmitir os vírus da dengue, zika e a febre chikungunya, além de também provocar a dirofilariose, doença que leva parasitas para viverem dentro do coração de cães e se não forem mortos, crescem e levam o cão á óbito.

Os jornalistas e populares presentes no discurso de Dilma estranharam o uso da palavra, mas no final acabaram entendendo muito bem o que ela queria dizer.

Presidente brasileira discursou sobre o 'mosquito'
Presidente brasileira discursou sobre o 'mosquito'

A presidente é ‘famosa’ por sua forma única de discursar e fazer referências a algumas coisas, como uma história antiga que envolve mandiocas.

Apesar dos memes e piadas, a luta contra o mosquito fêmea do Aedes aegypti ou mosquita da dengue, é séria e exige a colaboração de toda a população. Ano passado o Brasil teve quase dois milhões de casos de dengue e a tendência é que esse ano o número seja quase o mesmo, além do surto de zika vírus que pode ter índices assustadores.

Publicidade

Mobilização nacional

Todas as prefeituras do país, independente do partido dos respectivos municípios, estão investindo em mutirões de combate à dengue, bem como em publicidade para conscientizar as pessoas sobre os perigos de se deixar água parada em objetos e lixo em terrenos baldios, que podem virar criadouros da larva do mosquito.

Não basta manter a própria casa limpa, é preciso ficar atento sobre a possibilidade de haver água parada na casa de vizinhos e se notar algo, alertá-los ou chamar o serviço de combate à dengue.

Piscinas e caixas de água mal tampadas também são criadouros da larva.

Por isso, seja ele mosquito ou ‘mosquita’, o seu extermínio é importante e a sua picada pode custar uma vida.

Leia tudo