Nesta segunda-feira (21), por volta das 18 horas, Marcelo Nobre, o representante na defesa de Cunha, enviou ao Conselho de Ética umdocumentocom mais de 60 páginas e anexos, provando a inocência de seu cliente na acusação de quebra de decoro parlamentar.

José Carlos Araújo (PR-BA), presidente do Conselho, divulgou um resumo do conteúdo da defesa de Cunha e, possivelmente, seu teor completo poderá ser exporto nesta terça-feira (22), durante uma sessão já pré-agendada.

O defensor de Eduardo Cunha afirma que seu cliente não tem contas na Suíça em seu nome, mas sim, em nome de trusts, que são organizações que administram o dinheiro de uma ou várias pessoas.

Marcelo Nobre ainda diz que, no Brasil, não existe lei que regularize o usotrusts fora do país, e que a Receita Federal não disponibiliza, no preenchimento da declaração do imposto, um campo que explique o uso desse tipo de conta no exterior.

Para o advogado de Cunha, a acusação é infundada, pois não há provas dizendo realmente que o presidente da câmara possui contas na Suíça e isso caracteriza em um processo “natimorto”.

Na primeira quinzena de março de 2015, em depoimento a CPI da Petrobrás, o presidente da Câmera ocultou que teria contas bancárias fora do Brasil, mais especificamente na Suíça, e, por isso, foi acusado. Contudo, no mesmo dia,Cunhasolicitou junto à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o fim do processo e o desligamento do RelatorMarcos Rogério (PDT-RO),

OConselho de Ética tem, aproximadamente, até 40 dias para analisar os documentos da defesa e instrução probatória.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Corrupção

Findando o prazo, oRelatorMarcos Rogério, deverá solicitar o possível término do mandato de Eduardo Cunha.

O presidente da Câmara, em nota, expressa que talvez deva inquirir o Conselho de Ética, sobre a acusação feita porMarcos Rogério, relator do processo, pois o mesmo participou do ajuntamento partidário peemedebista.

Na norma pública partidária, um relator não deve ser do mesmo partido do acusado e nem fazer parte do mesmo grupo partidário.

Em mesma situação,Fausto Pinato (PRB-SP) foi excluído do processo por causa do mesmo sistema, e a defesa de Cunha conseguiu liquidar com o primeiro relator.

O atual representante da relatória,Marcos Rogério, era concernente ao partido do PDT, no entanto, atualmente, está incorporado no partido do DEM.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo