O juiz da Operação Lava Jato, Sérgio Moro, enviou um ofício ao Supremo Tribunal Federal, transcrevendo "grampos telefônicos" que contêm o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentando obstruir indevidamente a Justiça. Sérgio Moro explicou no ofício, o motivo de interceptar as ligações de Lula e mostrou ao Supremo, a intenção do ex-presidente em intimidar as investigações da Lava Jato. De acordo com Moro, essa conduta de Lula, é crime de obstrução à Justiça, definido como uma organização criminosa.

Moro citou neste ofício ao Supremo Tribunal Federal, todas as investigações que envolve Lula: os desdobramentos da Lava Jato que chegaram até o ex-presidente, as interceptações telefônicas que obtiveram indícios de crimes e detalhes da propriedade do Sítio "Santa Bárbara", em Atibaia (SP).

Esquema criminoso

Um detalhe chamou a atenção do juiz Sérgio Moro. Em uma das "escutas grampeadas", Luiz Inácio Lula da Silvadisse a um interlocutor, que "eles tem que ter medo",dando referência aos investigadores da Lava Jato.

Segundo Moro,essa afirmação de Lula não "caiu" bem aos olhos da Justiça. O juizainda comentou que, isso tudo gera receios dosprocessos ligados ao esquema criminoso da Petrobrás. O levantamento do sigilo, pedido pelo Ministério Público Federal, é exatamente para prevenirque o ex-presidente utilize uma conduta de intimidação e influência nas investigações dos crimes da Petrobrás, disse o juiz. Moro também ressaltou, que todas essas ações contra Lula, não tem nada de político-partidário.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Lula

Desespero de Lula

Lula, em um dos grampos, sugere ao ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, que cobre do Fisco investigações em emissoras de TV e inclusive no Instituto do seu oposicionistapolítico, Fernando Henrique Cardoso. O ex-presidente Lula pediu para o ministro interferir também nas apurações da Receita Federal, que auxiliava as investigações da Lava Jato. O juiz Sérgio Moro comentou, que esse diálogo do ex-presidente com o ministro da Fazenda tem relevância jurídico-criminal e não afronta a privacidade do ex-presidente Lula.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo