Uma semana depois da condução coercitiva de Lula, que aconteceu no dia 4, provocando manifestações por todo o Brasil, o Ministério Público de São Paulo denunciou Lula por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, afirmando que o ex-presidente teria sido beneficiado com o triplex do Guarujá. Na ocasião, o MP também fez um pedido de prisão preventiva de Lula, alegando que ele poderia se evadir com facilidade do país e que estaria usando seu grande poder como líder político para instigar seus simpatizantes contra a Justiça.

A condução coercitiva de Lula já havia gerado muita controvérsia. Os mais importantes juristas do Brasil se posicionaram, entre eles o ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, que criticou duramente a ação, e o professor de direito administrativo da PUC de São Paulo, Celso Bandeira de Mello,que a considerou uma "violência" e uma "ilegalidade grosseira", passível de representação contra Moro e também contra o Ministério Público.

Bandeira de Mello chegou a sugerir, em entrevista à revista Brasil de Fato, não estarmos vivendo em um Estado de Direito e se demonstrou apreensivo, pois, segundo ele, a partir daí, "tudo pode acontecer".

Se a condução coercitiva já causou comoção, o pedido de prisão preventiva foi considerado, por muitos, descabido. A presidente Dilma se manifestou, repudiando veementemente o que considerou um "absurdo", pela falta de base legal.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Corrupção

Em todas as oportunidades em que falou sobre a questão, Dilma se mostrou apreensiva quanto à manutenção de direitos democráticos conquistados a duras penas em anos de luta contra a ditadura.

A investigação e o pedido de prisão preventiva foram encaminhados para a juíza Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira, da 4ª vara criminal de São Paulo, que não tinha prazo para analisá-los. Hoje foi divulgada a decisão de Veiga Oliveira de enviá-los para Curitiba.

Após analisar o pedido do MP, ela considerou que a investigação sobre crime de falsidade ideológica é por conta de uma questão no Imposto de renda, e, portanto, de atribuição da União. Além disso, disse que, como já há outras investigações sobre o mesmo imóvel acontecendo na Operação Lava Jato, seria melhor todas as investigações correrem em âmbito federal. Assim, encaminhou a denúncia do MP para Curitiba, diretamente para as mãos do juiz Sergio Moro.

A juíza ainda deixou claro que, se Moro identificar em algum momento, algum crime que tenha ocorrido em esfera estadual, ele poderá lhe reencaminhar a investigação. Por enquanto, livrou-se da batata quente. E agora Lula está nas mão de Moro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo